James Ivory recria com classe o universo de E.M. Forster

Embora tenha trabalhado sobre argumentos originais, James Ivory foi, e ainda é, principalmente um adaptador. Henry James é um de seus autores favoritos, assim como E.M. Forster. O primeiro grande êxito popular do diretor foi com Uma Janela para o Amor, em 1985, baseado em Forster. O Telecine Cult hoje reverencia Ivory por meio de outras duas adaptações do escritor.Às 19h30, exibe Maurice e, às 22 horas, Retorno a Howards End. O primeiro trata do processo de amadurecimento de um cavalheiro inglês por volta de 1910 (e a aceitação da própria homossexualidade). O segundo trata do choque de classes na Inglaterra de 1900. A independente Emma Thompson, premiada com o Oscar, desafia o ricaço Anthony Hopkins, que possui uma natureza cruel, apesar de sua aparente civilidade.Ivory costuma ser comparadado a Luchino Visconti e David Lean por seu detalhismo, mas não tem nada a ver. Sua direção é algo flácida e ele parece mais um decorador de interiores que um autor. Mas Ivory sempre teve um olho para a beleza e, com atores que colam aos papéis, faz um cinema de certa classe. Hugh Grant está em Maurice e Helena Bonham Carter, em ambos os filmes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.