Jabuti inicia corrida pelo glamour

Lista inclui desde consagrados, como o Nobel, até honrarias que pagam bem

Ubiratan Brasil, O Estadao de S.Paulo

23 de setembro de 2008 | 00h00

A partir das 14 horas de hoje, estará aberta a temporada dos grandes prêmios literários de 2008. Nesse horário, a Câmara Brasileira do Livro divulga os vencedores de 20 categorias do Jabuti, inclusive as mais nobres como romance, poesia e contos e crônicas. Trata-se do mais prestigioso prêmio das letras nacionais, hoje mais interessante pelo valor histórico (essa é a 50ª edição) que pelo dinheiro ofertado - meros R$ 3 mil, quantia ínfima se comparada aos R$ 200 mil prometidos pelo Prêmio São Paulo de Literatura, instituído neste ano pela Secretaria Estadual de Cultura (confira valores no quadro).Em seguida, em outubro e novembro, o Brasil e o mundo serão inundados por listas diversas, todas apontando os melhores de sua época, privilégio que pode alterar a carreira de muitos escritores. É o caso da irlandesa Anne Enright, vencedora no ano passado do Man Booker, o mais importante prêmio literário da comunidade britânica. Ilustre desconhecida, ela conseguiu que o foco de todas as câmeras se concentrasse em seus grandes olhos e no cabelo joãozinho ao vencer com o romance O Encontro, tirando da mira o olhar enigmático de Ian McEwan e o tímido sorriso de Lloyd Jones, então grandes favoritos. Há prêmios também que mudam radicalmente a rotina de certos escritores. Como o Nobel de literatura - José Saramago, vencedor em 1998, disse que, tão logo seu nome foi anunciado, sua tranqüilidade simplesmente deixou de existir, trocada por uma série de viagens pelo mundo que só diminuíram com o anúncio do premiado do ano seguinte. É uma fase tão tumultuada que o autor não pode exercer sua função básica, ou seja, escrever.Alguns não se deixam contaminar, como a austríaca Elfriede Jelinek, vencedora do Nobel de 2004 - "Estou sentindo mais desespero que alegria. Não me sinto preparada para fazer frente à opinião pública. Sinto-me ameaçada", reagiu ela, ao ser informada da escolha. Vivendo no interior de seu país, ela permaneceu lá e não se deixou contaminar pela glória do Nobel.No Brasil, o crescimento do número de prêmios provocou a curiosa situação de alguns nomes figurarem em várias listas. Entre os dez finalistas do Prêmio Portugal Telecom, por exemplo, cinco também estão na reta final do Jabuti: Bernardo Carvalho, Beatriz Bracher e Cristóvão Tezza, entre os romances, Julián Fuks, entre os contos e crônicas, e Paulo Henriques Britto, na poesia. Segundo Selma Caetano, da curadoria do Portugal Telecom, as coincidências não são tão expressivas, uma vez que o Jabuti tem 200 finalistas, em 20 categorias, contra apenas dez do prêmio no qual participa.O que importa para os escritores é a possibilidade de ganhar também uma boa quantia pela sua obra. A situação melhorou quando foi criado, pela Secretaria Estadual de Cultura, o Prêmio São Paulo de Literatura, que concederá R$ 200 mil para o autor do "melhor livro" e o mesmo valor para o "melhor livro de autor estreante", ambos publicados em 2007.Mas nem sempre a glória de ser distinguido como o autor da melhor obra em um determinado ano se transforma em prestígio e dinheiro. Duas vezes ganhador do Jabuti, o mineiro Carlos Nascimento Silva percebeu que a esfera do prêmio se resumiu ao valor financeiro, cumprimentos e diversos tapinhas nas costas. "Mas não garantiu a publicação do livro seguinte", observa. "Passada a euforia, tive de retomar a luta por uma editora interessada em meus escritos."Segundo ele, um prêmio como o Jabuti representa um ato de sobrevivência, graças à dificuldade que os escritores encontram para publicar livro no Brasil. "Assim, quando se é editado e, melhor ainda, premiado por esse trabalho, o contentamento é muito grande."Foi o que aconteceu com o lançamento da obra seguinte, A Menina de Cá (Agir, 184 páginas, R$ 34,90), editado depois de ganhar o Jabuti do ano passado com o romance Desengano. Trata-se de uma seleção de contos que Nascimento escreveu antes de publicar seus romances. O título revela uma de suas inspirações declaradas, Guimarães Rosa, autor do conto A Menina de Lá. "Mas o meu texto é uma antítese, pois, enquanto a menina de Guimarães é mais etérea, a minha é mais terrestre", conta Nascimento, que prepara um novo romance. "Um terço do texto está escrito, mas não me imponho prazo pois continuo sem editora."A busca é reforçada para a edição de outro livro de contos, já preparado e com título escolhido: Las Meninas. Com dois Jabutis na prateleira, ele torce para que a espera seja curta. Os PrincipaisJABUTI - Lista sai hoje, com premiação de R$ 3 mil (Livro do Ano premia com R$ 30 mil, no dia 30 de outubro)PRÊMIO VIVALEITURA - Vencedores no dia 1.º de outubro (R$ 30 mil)NOBEL - Outubro, em data a ser definida (US$ 1,5 milhão)MAN BOOKER - Vencedor sai no dia 14 outubro (US$ 100 mil)PORTUGAL TELECOM - Vencedores no dia 29 de outubro (R$ 100 mil)GRANDE PRÊMIO DA ACADEMIA FRANCESA - Anúncio sai em 30 de outubro ( 7,5 mil)PRÊMIO GONCOURT - Lista sai dia 10 de novembro ( 7,5)PRÊMIO SÃO PAULO DE LITERATURA - Lista sai dia 23 de novembro (R$ 200 mil)APCA - Dezembro, em data a ser definida (apenas troféu)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.