Investigador dos caminhos da poética brasileira

Lançada originalmente em 1969, com reedição que teve acréscimos em 1978, esta obra reúne textos do mineiro Affonso Ávila que analisam, entre outros assuntos e escritores, a noção de vanguarda, o espírito barroco, o artista de 1922, o personagem literário Macunaíma, de Mario de Andrade, e Graciliano Ramos. Ávila revelou-se, a partir dos anos 1960, uma das vozes mais expressivas da nova consciência poética brasileira, além de um dos mais agudos investigadores da estética barroca no Brasil. No Suplemento Literário, de O Estado de S. Paulo, ele dividia espaço com Antonio Candido, Décio de Almeida Prado, Haroldo de Campos, Anatol Rosenfeld e Otto Maria Carpeaux, entre outros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.