Inspire, expire

Você não precisa se mudar para bem longe para fugir do estresse. Quem faz ioga garante paz de espírito (e até uns quilinhos a menos)

, O Estadao de S.Paulo

29 de janeiro de 2009 | 00h00

Contas a pagar, trânsito congestionado, trabalho dobrado, caos urbano. Se o ano mal começou e você já está perdendo (ou arrancando?) os cabelos de tanta preocupação e estresse, talvez seja hora de respirar fundo e tentar alterar sua rotina antes de sofrer um ataque de nervos. Não precisa largar o emprego nem mudar para uma ilha deserta. O convite dos professores de ioga é bem mais simples: reserve alguns dias na semana para a prática, que exercita corpo e mente, e traz sensação de paz e vigor.Para quem imagina que fazer ioga se resume a ficar sentado em posição de lótus (o pé esquerdo apoiado sobre a coxa direita e vice-versa) horas a fio repetindo mantras, é melhor aceitar o convite. Há vários métodos que se caracterizam pela permanência prolongada em determinada posição, mas eles são pouco comuns no Ocidente. Por aqui, os mais populares são os que envolvem movimentos, muitas vezes bem intensos e vigorosos. Marcos Rojo, professor do Centro de Práticas Esportivas da Universidade de São Paulo (USP) e pesquisador do tema, explica que, entre os vários troncos existentes na Índia, o que realmente emplacou foi a hatha ioga, cuja base é o trabalho com o corpo, realizado por diferentes posições - os ásanas. Ou seja, de quietinho não tem nada. Outro mito que o professor desfaz é o de que praticante de ioga não joga futebol, não faz musculação ou outra atividade esportiva. "Isso é uma bobagem", diz. O próprio Rojo, que treina atletas, por exemplo, sempre inclui a prática como complemento aos exercícios de alto impacto.Mas o que a ioga tem de tão bom? Rui Afonso, professor e pesquisador do tema pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), explica: "Ela considera o ser humano como um todo e trabalha os seus aspectos físicos, mentais, emocionais e até espirituais". O resultado é uma melhora geral na qualidade de vida - ajudando até na perda de peso, como conta o professor de ioga Luiz Antônio Ribeiro, da Fórmula Academia. Embora o foco não seja este, a prática muda hábitos como o de atacar a geladeira quando se está ansioso. "O grande mal de hoje não é a falta de condicionamento físico, é o estresse", reforça Rojo. Para ele, este é um dos motivos para o crescente número de adeptos. Não há números oficiais sobre quantos são os praticantes no País, mas a quantidade de páginas sobre o tema na internet dá ideia de como o assunto tem despertado interesse. Só no Brasil, há mais de 1,3 milhão de entradas para a expressão.O testemunho de quem pratica também dá boas pistas. A empresária e doceira Helô Padilha, 45 anos, faz ioga há cinco e é categórica ao afirmar que todos deveriam praticá-lo. Entre os motivos, como ficar mais tranquila e lidar melhor com os problemas, ela cita um bem inusitado: "Foi depois da ioga que consegui tomar coragem para me separar".Ramificações da iogaPartindo da hatha e chegando à ?power?, há práticas para todos os gostos nos estúdios e nas academiasIyengar ioga Leva o nome de seu criador, que focou a prática feita na hatha no alinhamento postural. Para garantir o posicionamento perfeito, e ter mais conforto, são usados blocos, cintos e almofadasHatha iogaÉ o método mais encontrado no Ocidente, de onde partem outras ramificações. Usa o corpo como base para atingir a mentePower iogaMuitos não consideram o ?power? um método da hatha ioga, mas é comum encontrar a expressão nas academias. Criado nos EUA, é semelhante ao vinyasa e também aposta no esforço físicoVinyasa iogaMétodo derivado do ashtanga, só que mais livre. Não há séries e os ásanas variam de acordo com o professor. Ainda assim, tem ênfase no esforço físicoe na sincronia entremovimentos e respiraçãoAshtanga vinyasa iogaOutra variação da hatha, o método criado por Pattabhi Jois tem seis séries graduais e aposta na força, na flexibilidade e no fôlego. Não é recomendado para iniciantesDicionário de ?ioguês?Ásanas: significa ?posição confortável?, embora algumas não pareçam serIogue: quem pratica ioga. O feminino é ?ioguini? (há uma grife de roupas de ioga com este nome)Mantra: são sons repetidos seguidamente para diminuir a intensidade do fluxo de pensamentosMat: lê-se ?mét?; é o tapetinho usado durante as aulas, mais fino que o colchonete e antiaderentePranaiama: exercícios que trabalham a respiração oscilando o ritmo de inspiração e expiraçãoNamastê: é um cumprimento em sânscrito; pode ser traduzido por ?saúdo o deus dentro de você?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.