DANIELA PAOLIELLO/DIVULGAÇÃO
DANIELA PAOLIELLO/DIVULGAÇÃO

Inhotim testa modelo de gestão com a nova Galeria Claudia Andujar

Pela primeira vez, um pavilhão do instituto inaugurado em 2006 contou com patrocinador para sua construção

Camila Molina, O Estado de S. Paulo

31 de dezembro de 2015 | 06h00

BRUMADINHO - A Galeria Claudia Andujar, que foi inaugurada em novembro com pajelança (dez ianomâmis estiveram presentes na celebração) e a realização de seminário com a participação dos líderes indígenas Davi Kopenawa e Ailton Krenak, marca também a experimentação de novo modelo de gestão em Inhotim, diz seu diretor executivo, Antonio Grassi. Pela primeira vez, um pavilhão do instituto contou com patrocinador para sua construção – no caso, o Santander, que custeou cerca de R$ 2 milhões (ou 15%) dos R$ 12 milhões consumidos pelo projeto.

“Além da crise geral em torno de patrocinadores, também nos afeta a questão do minério. A Vale, que é nossa patrocinadora master, tem diminuído a cada ano sua possibilidade de patrocínio”, explica Grassi. A empresa é uma das proprietárias da mineradora Samarco, responsável pelo recente rompimento de barragem em Mariana, causador de um dos maiores desastres ambientais da história do País.

A grande galeria dedicada à obra da fotógrafa Claudia Andujar, projeto que levou cinco anos de realização, é o 19.ª pavilhão permanente de Inhotim, que completará 10 anos em 2016. Como conta Grassi, o Santander entrou como patrocinador para a finalização da construção do espaço. Mais ainda, 25 patronos contribuíram, cada um, com R$ 25 mil – e receberam em contrapartida um múltiplo com três imagens da artista.

Como diz o diretor, a experiência já mostrou que, além da construção, é necessário também pensar na manutenção dos pavilhões – já estão previstas, por exemplo, galerias para os artistas Ernesto Neto e Anish Kapoor, que doaram obras em comodato, conta. “Criar um formato que procura sustentabilidade é uma meta difícil. As instituições no mundo inteiro não são autossustentáveis.” Segundo ele, o empresário Bernardo Paz, criador do centro de arte contemporânea que conta 1,3 mil obras em seu acervo, participa hoje com cerca de 20% do orçamento do instituto.

NÚMEROS:

12 milhões de reais foi o custo da Galeria Claudia Andujar de Inhotim

500 obras da artista foram adquiridas pelo instituto, que exibe 400 delas no novo pavilhão

19 galerias permanentes existem hoje em Inhotim

2 milhões de visitantes foi a marca alcançada pelo instituto 

3 milhões de reais é o montante previsto para construção de galeria dedicada a Ernesto Neto

A REPÓRTER VIAJOU A CONVITE DO INSTITUTO INHOTIM

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.