Improviso, códigos corporais e silêncio para ver O Beijo

Cia. Nova Dança 4 apresenta espetáculo baseado na obra de Nelson Rodrigues

Livia Deodato, O Estadao de S.Paulo

15 de maio de 2009 | 00h00

Para compor os códigos cênicos de cada personagem, os bailarinos-atores destacaram em seus corpos os adjetivos e a personalidade muito bem descritos por Nelson Rodrigues em O Beijo no Asfalto. "Foi um desafio suprimir todas as palavras durante as ações e transmitir somente com o corpo as intenções e a história de cada um", conta Cristiano Karnas. "O Nelson traz rubricas muito ricas, que nos permitem sentir o estado de espírito do personagem e como ele se vê, além de mostrar como ele é visto pelos outros e a consequente construção das relações por meio de sua trajetória" completa.Cada bailarino-ator ficou responsável pelo desenvolvimento da gênese corporal de dois personagens, que eventualmente podem se repetir em qualquer outro integrante do elenco. Por meio de ações concomitantes em todo o espaço do Nono Andar do Sesc Avenida Paulista, entre recortes de luz que claramente simulam a casa, a rua e o escritório e sem troca de figurinos masculinos com femininos - bailarinas de saias podem interpretar Arandir, assim como bailarinos de gravata encarnam Selminha -, a Cia. Nova Dança 4 estreia hoje um novo espetáculo baseado no improviso, elemento característico do grupo fundado em 1996 por Cristiane Paoli Quito e Tica Lemos. O Beijo é o segundo trabalho da série-projeto Influência, que teve início no ano passado com os Primeiros Estudos, resultado da inspiração dos filmes de Hitchcock, e deve terminar com uma última e terceira parte, que Quito adianta tratar sobre uma mistura desses dois primeiros trabalhos."Esses estudos dramatúrgicos que iniciamos em 2007 procuram ampliar as fronteiras entre o teatro e a dança", explica Quito. "O perigo é cair numa mimetização e fazer um teatro dançado em vez de uma dança teatralizada." Para compor O Beijo, a fonte de pesquisa não se resumiu à obra do dramaturgo nascido no Recife. De Repente, num Domingo, de Truffaut, Os Crimes da Rua Morgue, de Allan Poe, Todos os Que Caem, de Beckett, além de outra obra de Nelson Rodrigues, o clássico Vestido de Noiva, foram objetos de estudo para a construção do espetáculo.No momento da entrada do público, os bailarinos apresentam seus personagens, uma espécie de prólogo dos atos que estarão por vir - aquecimento para os bailarinos, familiarização para os espectadores. Dália, Aprígio, Arandir, Cunha, Selminha e Amado Pinheiro também poderão ser facilmente identificados pelos temas musicais criados por Natália Mallo e Cláudio Faria que, por sua vez, também ganham personagens interessantes na trama. ServiçoO Beijo. 75 min. 14 anos. Sesc Paulista (40 lug.). Av. Paulista, 119, tel. 3179-3700. 6.ª a dom., 19 h. R$ 5 a R$ 20. Até 14/6

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.