Mads Nissen/AP
Mads Nissen/AP

Imagem emblemática da covid-19 feita no Brasil leva o World Press Photo 2021

Dinamarquês Mads Nissen vence principal prêmio de fotojornalismo com imagem de senhora abraçando uma enfermeira protegida por plástico, em São Paulo

AFP, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2021 | 13h15

Um fotógrafo dinamarquês conquistou, nesta quinta, 15, o prestigioso prêmio World Press Photo do ano 2021, por uma imagem de uma senhora idosa abraçando uma enfermeira protegida da covid-19 por plástico no Brasil, símbolo de "esperança" aos olhos dos jurados. 

A imagem de Mads Nissen, vencedor do principal prêmio do concurso de fotojornalismo, imortaliza o primeiro abraço em cinco meses de uma residente de 85 anos em um lar de idosos de São Paulo em agosto de 2020.

Isolada por causa da pandemia do coronavírus, ela finalmente conseguiu abraçar uma enfermeira graças a um dispositivo de plástico. 

"Esta imagem icônica da covid-19 comemora o momento mais extraordinário de nossas vidas, em todos os lugares", disse Kevin WY Lee, membro do júri, citado em um comunicado. 

Para ele, a foto, que mostra ao mesmo tempo "vulnerabilidade, separação e sobrevivência", é também um símbolo de "esperança".

"Para mim, é uma história de esperança e amor nos momentos mais difíceis", ressaltou Mads Nissen, fotógrafo do jornal dinamarquês Politiken, que também ganhou o primeiro prêmio na categoria "Informação geral" graças ao clichê. 

Radicado em Copenhague, ele já havia conquistado o prêmio World Press Photo de 2015 pela imagem de um casal homossexual na Rússia.

A série vencedora do "World Press Photo Story of the Year", um novo prêmio introduzido em 2019, narra histórias de amor impactadas pelo conflito israelense-palestino pelo fotógrafo italiano Antonio Faccilongo para Getty Reportage.

VEJA TAMBÉM: Vencedores do prêmio World Press Photo desde 2010

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
fotojornalismocoronavírusjornalismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.