Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Idealizada a partir de mapa astral, obra de Artur Lescher é inaugurada no Sesc Av. Paulista

Escultura de 21 metros, localizada na área externa do prédio, aponta para as estrelas que regem o prédio

Pedro Rocha, Especial para o Estado

09 de fevereiro de 2019 | 03h00

A Avenida Paulista, em São Paulo, vai ganhar na próxima semana uma nova escultura de 21 metros, localizada na área externa da unidade do Sesc que leva o nome do logradouro. Idealizada pelo artista Artur Lescher, a obra foi concebida com base no mapa astral do prédio, inaugurado no ano passado.

A inauguração será nesta quarta-feira, 13, às 19h, com um bate-papo entre Lescher, Lydia Vainer, responsável por desenhar o mapa astral do Sesc Avenida Paulista, e ainda com a curadora Catarina Duncan. O evento é gratuito, com a retirada de ingressos 30 minutos antes do horário de início. 

A escultura, ainda sem título, faz parte de um projeto de Lescher intitulado Anchor the Sky, ou “ancorar o céu”, em tradução livre. A ideia surgiu anos atrás, quando o artista desenvolveu um projeto para a cidade de Miami, nos EUA. “Estudei a cidade e descobri que ela tinha uma certa fragilidade, está em cima de rochas muito porosas”, ele explica. “Para aquela cidade, pensei qual seria o ponto para ancorá-la e criar uma solidez. A única coisa estaria acima. Pensei em fazer uma leitura do mapa astronômico e juntar com a questão astrológica.”

O resultado foi surpreendente. O estudo, feito a partir da sua data de fundação, de acordo com o artista, apontava que a cidade era hospitaleira, recebia muito bem às pessoas e era dedicada ao prazer e entretenimento, como de fato é. O projeto, lá, não ganhou vida, mas Lescher apresentou o conceito para a organização do Sesc, em São Paulo, que gostou e resolveu aplicá-la em seu prédio na Avenida Paulista. 

A escultura tem um formato que lembra um obelisco, mas curvado para as estrelas que regem o prédio, ambas fixas no signo de Touro: Hamal e Shedir. A primeira, segundo o mapa, garante à unidade do Sesc independência e força. A segunda, na constelação de Cassiopeia, fortalece o poder feminino, a gentileza, a diplomacia e tem, de acordo com o estudo da astróloga Lydia Vainer, uma grande capacidade de interferir positivamente no ambiente cultural da cidade de São Paulo. No mapa, o sol da unidade está em Touro, a lua em Escorpião e o ascendente em Câncer. 

Lescher explica que, claro, não há provas de que a influência das estrelas seja real, mas que isso também faz parte da obra. “É uma ficção, propor a relação com as estrelas. Se isso vai influenciar, não tenho nenhuma certeza”, ele diz. “Mas quando você projeta uma ideia e procura uma relação fora do sistema em que estamos acostumados, é algo que me interessa.”

A escultura de 21 metros é revestida por chapas de aço galvanizado e o seu acabamento feito com massa epóxi. A construção foi realizada com consultas ao arquiteto responsável pelo prédio do Sesc Avenida Paulista e com a ajuda de um engenheiro. “Tem cálculos de engenharia sobre o que é e não é possível”, explica.

Além de respeitar a estrutura do prédio, Lescher não quis que a obra interferisse na Avenida Paulista. “Gosto de trabalhar com uma escala mais humana. Não queria algo monumental, que ‘apequenasse’ as pessoas. Não acho que a obra é um elemento que vá causar transtorno, permite a convivência com as outras estruturas”, analisa o artista. “Até a cor foi pensada nisso. Eu poderia fazer qualquer agulha, poderia ter três centímetros, é uma ideia que você constrói na imaginação.”

Programação especial

Com a inauguração da obra, o Sesc Avenida Paulista vai realizar uma série de cursos e atividades voltadas para o estudo da astrologia, com uma programação intitulada Eu e o Cosmos, que se estende até março e conta com performances, instalações e oficinas. Entre os cursos, estão aulas de astrologia para curiosos, crianças e pessoas com interesse nas relações das estrelas com a arte. A programação completa está no site da unidade, sescsp.org.br/avenidapaulista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.