Humanidade e tristeza de um sambista mineiro

Biografia, dois CDs e shows no CCSP comemoram o centenário de nascimento [br]de Ataulfo Alves, considerado um dos compositores de maior sucesso da história

Francisco Quinteiro Pires, O Estadao de S.Paulo

05 de setembro de 2009 | 00h00

Um dos maiores sambas da história quase não dá pé. Ai que Saudades da Amélia irritou Mário Lago quando Ataulfo Alves, parceiro para quem entregou a letra, mexeu em boa parte da estrutura da composição. Apesar do mal-estar, Ataulfo procurou o editor Emílio Vitale para fazer a gravação. Mas nenhum dos cantores cogitados, como Cyro Monteiro, Orlando Silva e Moreira da Silva - que a classificou de "marcha fúnebre" -, topou interpretar o samba. A recusa, segundo Ataulfo, devia-se ao ritmo "revolucionário". A solução: ele mesmo o cantou.

Mas o problema estava só no começo. A gravadora quis lançá-lo no carnaval de 1942. Mário Lago tinha de assinar uma autorização - pediu um adiantamento, liberado somente porque Ataulfo permitiu que a gravadora assumisse o controle sobre o samba. Ele fez o pior negócio da carreira, segundo o jornalista Sérgio Cabral. A música de maior sucesso foi a que rendeu menos direitos autorais para o seu autor. Ao menos, houve um consolo: no Aurélio Amélia se tornou sinônimo de "mulher que aceita toda sorte de privações e vexames sem reclamar, por amor a seu homem".

Ouça os trechos dos CDs

O prejuízo financeiro, porém, não atrapalhou Ataulfo, que saiu de Miraí, cidade mineira a 335 km de Belo Horizonte, para ser um dos compositores de maior sucesso da música brasileira, apreciado por Chico Buarque, Roberto Carlos, Itamar Assumpção, entre outros. Essa é uma das revelações de Sérgio Cabral em Ataulfo Alves - Vida e Obra (Lazuli Editora, 176 págs., R$ 30). A biografia integra os eventos em torno do centenário de nascimento do compositor, completado em 2 de maio deste ano. A preservação da memória de Ataulfo é um trabalho de cerca de 40 anos mantido por um dos filhos do sambista, Ataulpho Alves Júnior. A programação completa da efeméride está no www.ataulfoalves100anos.com.br.

Seis shows no Centro Cultural São Paulo - de hoje até o próximo dia 20 - lançam Ataulfo Alves 100 Anos, álbum duplo da Lua Music (leia mais no quadro ao lado). Às 19 h de hoje, interpretam clássicos de Ataulfo, Elza Soares e Milena; amanhã, às 18 h, é a vez de Maria Alcina e 2ois. (Mais informações sobre as apresentações no www.centrocultural.sp.gov.br)

"Poucos compositores e cantores tiveram ou têm um comportamento tão profissional quanto Ataulfo", diz Sérgio Cabral. "Seus músicos e pastoras estavam sempre com roupas adequadas, as apresentações começavam na hora certa e sua relação com o público foi marcada pelo respeito e pela simpatia."

Autor de Bonde São Januário, que exalta o trabalhador, Ataulfo colocou sua arte a serviço da política. Compôs Ademar Dá Jeito para campanha de Ademar de Barros. Foi getulista. "E um ingênuo em matéria de política, que nunca escondeu a admiração e o afeto por Getúlio Vargas, homenageado com músicas nas duas vezes em que ocupou a presidência da República", diz Sérgio Cabral. A "ingenuidade" não valia para os negócios musicais. Um dos fundadores da União Brasileira dos Compositores, "ele acabou sendo um especialista em direitos autorais, pois sabia que ali estava a única forma de demonstrar que compositor é um trabalho como outro qualquer".

Em 1961, consagrado pelos sucessos Pois É, Sei Que É Covardia, Mulata Assanhada e Meus Tempos de Criança, Ataulfo foi eleito pelo colunista Ibrahim Sued o homem mais elegante do País. Ele dizia usar ternos com 10 anos de vida. A elegância transparecia em seus sambas. O jornalista Lúcio Rangel afirmava haver "um toque de melancolia e humanidade" nas composições de Ataulfo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.