HQ será criada com base no filme - e isso é inédito no País

Desde que se iniciaram as gravações de Condomínio Jaqueline, há algumas semanas, um ilustre ''penetra'' tem circulado pelos sets do filme. Numa madrugada de sexta para sábado, enquanto Roberto Moreira e equipe rodavam uma cena simples mas, ao mesmo tempo complicada, em que era preciso ''colocar em quadro'' o sedutor pano de fundo de São Paulo à noite, o ''primeiro plano da vida'' da personagem Marina no prédio em que vive, e aproveitar da melhor forma o ''som natural'' dos ônibus que sobem e descem freneticamente a Consolação, quem observava e anotava tudo, de bloquinho em punho, era Papito. ''Formado em Design, procurado como ilustrador e quadrinista incondicional'', é dele a tarefa de transformar em quadrinhos os personagens do filme.Nascido e crescido em Londrina, no Paraná, Papito conhece bem o universo que Moreira quer pintar na tela. ''Apesar de nunca ter pisado em um set antes, me reconheço em muitas cenas que tenho visto. Também senti essa liberdade e, ao mesmo tempo, solidão que a Marina sente ao chegar aqui'', contou o quadrinista enquanto esperava, no topo do Edifício Anchieta, que um novo set fosse preparado pela equipe para poder, novamente, observar, anotar, rabiscar e criar seu próprio universo em HQ. ''Conhecer cada apartamento em que moram os personagens (só no Edifício Anchieta, a equipe alugou cerca de quatro unidades) é imprescindível para construir na minha cabeça o Condomínio Jaqueline em quadrinhos'', disse. Dono de traços pop e autorais, Papito foi, muito por isso, convidado pela equipe da Conrad Editora, responsável por lançar os quadrinhos no mercado. E não só se reconheceu na história como começou a delinear uma trajetória visual para cada um de seus novos personagens. ''Procuramos a Conrad pela afinidade temática e estética que a editora tem com o universo urbano. E a Conrad procurou o Papito por isso. Foi uma conjunção de afinidades'', comenta Geórgia Araújo. ''Minha experiência ganha ares universais com o filme. É essa sensação geral de sair de casa, chegar a um centro urbano, construir nova referência de família, que eu já ''desenhava'' em meus quadrinhos independentes, que vou retratar nos quadrinhos'', conta Papito.Condomínio Jaqueline deve chegar às telas e às livrarias no primeiro semestre de 2009 e estrear na TV em seguida. Além da inovadora HQ, para ''desenhar'' o universo da São Paulo jovem e contemporânea, diretor e equipe contam com uma pequena jóia tecnológica, a câmera Red, a mais nova vedete dos cineastas. ''Em todo o mundo, só há cinco dessa câmera, que filma com altíssima resolução. É praticamente igual à película. Fizemos testes em película e chegamos à conclusão de que tinha de ser a Red'', conta Moreira, feliz em ter ''pincéis'' tão contemporâneos para ''desenhar'' sua nova história.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.