Herchcovitch com a Rosa Chá em NY

Ele estreia como diretor de criação da grife e também mostra sua marca

Tonica Chagas, NOVA YORK, O Estadao de S.Paulo

15 de setembro de 2009 | 00h00

Participante da semana de moda de Nova York desde 2005, o brasileiro Alexandre Herchcovitch tem seu nome incluído duas vezes entre os 70 designers que apresentam suas criações nas passarelas do Mercedes-Benz Fashion Week nesta temporada. Com a Cruise Collection, uma coleção especial que chega às lojas do Brasil em novembro, ele estreou na abertura da semana como novo diretor de criação da Rosa Chá. Amanhã ele está de volta, desta vez com a própria marca e mostrando a coleção primavera-verão exibida em julho na São Paulo Fashion Week. Além do tunisiano Max Azria, Herchcovitch é o único com mais de um show no Bryant Park.

Com 34 modelos, a coleção especial com que Herchcovitch passa a assinar a Rosa Chá é inspirada no desenvolvimento da estrutura do maiô ao longo das décadas. Algumas peças da Cruise Collection lembram um pouco os vestidos e calções usados pelas mulheres que iam à praia em fins do século 19. Os vestidos de alça ou tomara-que-caia são soltos, há biquínis e bermudas de cintura alta e calças curtas terminando em punhos. "Algumas mulheres querem conforto e não gostam de mostrar muito o corpo", diz o designer. Trabalhando com seda pura, poliamida com elastano e chambray, ele priorizou preto, branco e pérola nas cores e também foi econômico nas estampas: além de bolinhas e listas com detalhes de strass, criou um xadrez luminoso trançando faixas de lycra amarela e laranja. O look se completa com sandálias plataforma à la Carmem Miranda, feitas de tecido e verniz, também desenhadas por ele.

A Cruise Collection que Herchcovitch desenhou como extra para o próximo verão da Rosa Chá é a primeira a não ser feita por Amir Slama, que criou a marca 17 anos atrás e a lançou, com sucesso, no mercado internacional. Depois de se associar à Marisol SA, três anos atrás, em maio ele se desligou totalmente dela, ressentindo-se de ter feito uma venda e não uma fusão com a empresa catarinense. Slama ainda assina a coleção de verão 2009/ 2010, que começa a ser vendida nas lojas brasileiras este mês e terá as peças de alto verão lançadas em outubro.

A tendência da compra de marcas por empresas maiores, segundo o presidente da Marisol, Giuliano Donini, "é consequência do amadurecimento da moda como um grande negócio no Brasil". A Rosa Chá deve fechar 2009 com crescimento de 20%, o que, para o empresário "está muito bom", considerando-se o período de crise econômica pandêmica. Juntas, a coleção de Herchcovitch e as últimas criações de Slama já estão no showroom da marca em Nova York e o desfile, na quinta-feira passada, foi visto por representantes de lojas de rede e multimarcas americanos, canadenses, de outros países latino-americanos e até da Turquia.

Também de olho na grande vitrine que Nova York é para atrair compradores internacionais, a Iódice mostrou sua coleção da temporada no dia 9, véspera da abertura da Mercedes-Benz Fashion Week, e fora do Bryant Park, onde se concentra a maior parte dos desfiles. As roupas refinadas inspiradas em pérolas, algas e outros elementos marinhos foram mostradas na cobertura do Morgans Hotel, na Madison Avenue. Quinze dos 40 looks da coleção foram vistos em manequins fixos; os outros eram desfilados por três modelos que circulavam entre os convidados, enquanto o desfile apresentado na São Paulo Fashion Week era exibido em DVD. "É um modo de não ficar longe desse grande momento do mercado e o custo é um pouco menor", explicou o dono e estilista da grife, Valdemar Iódice.

A semana nova-iorquina de moda , que termina nesta quinta-feira, abre os eventos internacionais seguida pelas apresentações em Milão, Paris e Londres. Além de Iódice e Herchcovitch, participam dela os brasileiros Carlos Miele, com a própria grife, e Francisco Costa, estilista da americana Calvin Klein.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.