Grupo busca a veia poética de Eduardo Galeano

Contos desse escritor uruguaio são a matéria-prima do espetáculo Inventário das Sensações Perdidas

Beth Néspoli, O Estadao de S.Paulo

26 de fevereiro de 2009 | 00h00

Muita gente leu ou pelo menos ouviu falar do livro As Veias Abertas da América Latina, do uruguaio Eduardo Galeano, um estudo sobre as mazelas decorrentes da colonização europeia na Sulamérica. Mas talvez poucos saibam que esse escritor assina também obras de ficção. Alguns de seus contos - quase todos recriações de narrativas da tradição oral - inspiram O Inventário das Sensações Perdidas, peça que estreia sábado no quintal da Casa de Dona Yayá."Se chover não vai haver apresentação, mas vem um período seco por aí", aposta Ronaldo Serruya, ator do Grupo XIX e também diretor dessa montagem que funda o Teatro do Fubá. Esse novo grupo, formado por Gisele Lavalle, Denise Janoski, Paulo Plácido e Marco Moreira, nasceu de uma oficina realizada pelo Grupo XIX (premiado por espetáculos como Hysteria e Arrufos) em 2006, com apoio do Programa Miriam Muniz. "Eram 20 atores e foram oito meses de trabalho; ao fim, eles quatro quiseram dar continuidade à pesquisa. Convidaram-me e sugeri a obra de Galeano que eu estava lendo."A partir daí eles trabalharam mais um ano sobre a obra desse autor que, por intermédio de seu tradutor, Eric Nepomuceno, aprovou o texto final. "Ele disse que quer ver quando vier ao Brasil." Bem no espírito das histórias contadas em torno de fogueiras ou fogão à lenha, os atores falam muito próximos ao público - apenas 30 espectadores por sessão - e sob a luz de velas e luminárias penduradas nos galhos das árvores."Trabalhamos com a ideia de espelho, da gente se reconhecer culturalmente nessas narrativas", diz Ronaldo. Uma espécie de cosmogonia, a criação do mundo a partir da existência de pequenas fogueiras, é o ponto de partida do espetáculo, divido em blocos, numa estrutura cíclica. O Teatro do Fubá não é o primeiro grupo a surgir das oficinas, gratuitas, sempre oferecidas pelo Grupo XIX. Interessados, inscrições estão abertas, podem conferir no site www.grupoxixdeteatro.ato.br.ServiçoCasa da Dona Yayá. (30 lug.). 50 min. Rua Major Diogo, 353, tel. 3106-3562. Sáb., às 20 h, dom., às 19h30. Até 3 de maio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.