Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
EFE/EPA/PANTELIS-SAITAS
EFE/EPA/PANTELIS-SAITAS

Grécia recupera pinturas de Picasso e Mondrian roubadas em 2012

Obras estavam no interior do país e foram roubadas depois que ladrões enganaram a segurança

Reuters e AFP, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2021 | 07h23

A polícia grega anunciou, na segunda-feira, 28, que recuperou uma obra de arte de Pablo Picasso e outra do pintor holandês Piet Mondrian, que haviam sido roubadas da Galeria Nacional da Grécia, em 2012. Os quadros foram encontrados na zona rural de Keretea, 45 km a sudeste de Atenas.

Ladrões invadiram a galeria e levaram a pintura Cabeça de Mulher, de Picasso, doada pelo artista espanhol em 1949, e a obra Moinho, de Mondrian, datada de 1905. A tela cubista de Picasso representa um busto de mulher e foi um presente do pintor espanhol ao povo grego em 1949, por sua resistência contra as forças nazistas. Tem uma dedicatória, escrita em francês, que afirma: "Para o povo grego, uma homenagem de Picasso".

Na noite do roubo, os ladrões provocaram o disparo dos alarmes diversas vezes, sem entrar no edifício, com o objetivo de despistar os seguranças. Eles entraram no museu apenas durante o amanhecer e foram surpreendidos por um guarda, que impediu que levassem um segundo quadro de Mondrian.O roubo durou apenas sete minutos, tempo que dois homens levaram para retirar as obras das molduras. Antes de escapar, o ladrão ainda deixou cair uma outra pintura de Mondrian, de 1905.

Um relatório oficial concluiu que os sistemas de segurança não eram renovados desde 2000. Diversas áreas do museu não tinham câmeras de segurança e os alarmes não funcionavam de maneira correta.

O crime aconteceu em plena crise econômica do país, marcada por muitas demissões. Meses depois, o museu de Olimpia também sofreu um grande roubo de antiguidades.

Dezenas de objetos valiosos foram roubados por dois homens de máscara e armados. Os bens foram encontrados meses depois, graças a um homem que tentou vender um anel de ouro de 3 mil anos para uma pessoa, mas sem saber que era um policial. Meses depois, sete homens foram condenados a penas que chegaram a sete anos de prisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.