Grafiteiros levam sua técnica para museu gaúcho

Até pista de skate é incorporada à exposição dedicada à cultura urbana

Lucas Frasão, O Estadao de S.Paulo

24 de junho de 2008 | 00h00

A arte de rua vai invadir os salões de um museu de Porto Alegre, em exposição que começa hoje e fica em cartaz até o fim de setembro. Pelo menos à primeira vista, essa é uma combinação inusitada. Considere, por exemplo, a ''pista'' de skate montada no saguão principal do prédio, construído em 1932, em estilo neoclássico - onde funciona, hoje, o Santander Cultural.A plataforma de madeira, projetada para skatistas profissionais convidados e aberta também aos visitantes, é um dos destaques da mostra, cujo nome é longo: TRANSFER _cultura urbana. arte contemporânea. transferência. transformações. Além disso, a ''pista'' tem tudo a ver com a proposta da exposição, de refletir sobre a arte produzida nas ruas das grandes metrópoles.Cerca de 300 trabalhos estarão expostos, entre pinturas, vídeos e fotografias. As obras são assinadas por mais de 100 artistas, brasileiros e estrangeiros. ''A maioria não fez universidade e hoje circula pelos corredores das artes visuais'', disse o gaúcho Lucas Ribeiro, um dos curadores da exposição.O grafiteiro paulista Francisco da Silva, mais conhecido como Nunca, é um dos grandes nomes no cenário artístico urbano brasileiro. Ele viaja o mundo para mostrar seus desenhos. Em 2007, esteve no Instituto de Arte Moderna de Valência, na Espanha. E, na semana passada, expôs trabalhos de sua autoria na África do Sul. Mas voltou de lá com uma forte dor de garganta, e talvez não consiga finalizar sua obra para a inauguração da mostra do Rio Grande do Sul.Nunca, o artista, foi um dos convidados pela organização do evento para fazer a sua pintura in loco. De spray na mão e máscara grudada no rosto, ele fazia os primeiros traços de um desenho exclusivo quando foi fotografado pela reportagem do Estado, há dez dias. O grafiteiro vai fazer parte do núcleo Street Fine Art, um dos quatro que dividem a mostra.No eixo Mauditos, estarão expostas algumas capas de discos e ilustrações, como os fanzines de Billy Argel. A ''pista'' vai ficar na seção Intervencionistas, que também terá exibições de documentários sobre intervenção urbana no Brasil.Ainda haverá trabalhos inéditos de 27 artistas no núcleo Beautiful Losers, cujo nome faz referência a um influente projeto de arte urbana, que nasceu na América do Norte e foi a países como França e Itália.A entrada para a exposição é gratuita. Mais informações: www.santandercultural.com.br.O repórter viajou a convite do Porto Alegre Convention & Visitors Bureau

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.