Gero Camilo estréia sua faceta de compositor

Canções de Invento tem participação de Lirinha, Simone Sou, Ceumar, Rubi

Livia Deodato, O Estadao de S.Paulo

23 Setembro 2008 | 00h00

Quem ouve Vai Desabar tem vontade de sair pulando e cantando junto o refrão que tem tino para obedecer a regra de que toda música boa lava a alma: "(...) desabar água/Pra lavar o que tem que limpar/pra lavar o que tem/vai desabar água/e é pro nosso bem". A última canção do primeiro álbum que Gero Camilo lança hoje no Sesc Pompéia fisga de primeira e dá a impressão de que já virou hit. "Acho que alguns DJs já estão tocando em algumas baladas mais alternativas daqui", conta Gero, com ar modesto. "Você já foi à Gambiarra? Uma festa da classe artística que acontece aos domingos no Cambridge? Lá tem tocado." Ouça trecho de Vai Desabar no site O debut no meio musical do reconhecido ator esbanja poesia em letras que falam sobre o amor, a modernidade, a arte e a cidade. E ainda agrega ótimas parcerias, como Ceumar, Celso Sim, Tata Fernandes, Simone Sou e Lirinha, entre muitos outros, sob direção de Luiz Gayotto - todos, a princípio, com presença confirmada no show de lançamento hoje. O álbum Canções de Invento é fruto de uma história que começou a ser construída há pelo menos seis anos, quando Gero lançou o livro de contos e peças curtas Macaúba da Terra em 2002, escrito durante o curso da Escola de Arte Dramática, da Universidade de São Paulo, que freqüentou entre 1994 e 1998. "Nessa primeira exposição de minha poesia, consegui identificar uma potencialidade musical", conta. Do livro surgiu a idéia de montar um espetáculo dois anos depois, que batizou de Canto de Cozinha e contou com a participação dos músicos e amigos Ceumar, Kléber Albuquerque, Rubi e Tata Fernandes. Ali já experimentavam muitas das canções hoje contempladas nesse primeiro registro musical do ator, que vai do rock ao samba e tem também letras de companheiros de EAD, como Marat Descartes e Gustavo Machado. "A confluência de gêneros é um grande alimento para o artista contemporâneo, que em vez de tentar se enquadrar, pode ampliar o seu espaço de atuação e afinar o seu discurso poético", opina Gero. Serviço Gero Camilo. Sesc Pompéia. Choperia (800 lug.). Rua Clélia, 93, Pompéia, tel. 3871-7700. Hoje, às 21 horas. Grátis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.