Gero Camilo estréia sua faceta de compositor

Canções de Invento tem participação de Lirinha, Simone Sou, Ceumar, Rubi

Livia Deodato, O Estadao de S.Paulo

23 de setembro de 2008 | 00h00

Quem ouve Vai Desabar tem vontade de sair pulando e cantando junto o refrão que tem tino para obedecer a regra de que toda música boa lava a alma: "(...) desabar água/Pra lavar o que tem que limpar/pra lavar o que tem/vai desabar água/e é pro nosso bem". A última canção do primeiro álbum que Gero Camilo lança hoje no Sesc Pompéia fisga de primeira e dá a impressão de que já virou hit. "Acho que alguns DJs já estão tocando em algumas baladas mais alternativas daqui", conta Gero, com ar modesto. "Você já foi à Gambiarra? Uma festa da classe artística que acontece aos domingos no Cambridge? Lá tem tocado." Ouça trecho de Vai Desabar no siteO debut no meio musical do reconhecido ator esbanja poesia em letras que falam sobre o amor, a modernidade, a arte e a cidade. E ainda agrega ótimas parcerias, como Ceumar, Celso Sim, Tata Fernandes, Simone Sou e Lirinha, entre muitos outros, sob direção de Luiz Gayotto - todos, a princípio, com presença confirmada no show de lançamento hoje.O álbum Canções de Invento é fruto de uma história que começou a ser construída há pelo menos seis anos, quando Gero lançou o livro de contos e peças curtas Macaúba da Terra em 2002, escrito durante o curso da Escola de Arte Dramática, da Universidade de São Paulo, que freqüentou entre 1994 e 1998. "Nessa primeira exposição de minha poesia, consegui identificar uma potencialidade musical", conta.Do livro surgiu a idéia de montar um espetáculo dois anos depois, que batizou de Canto de Cozinha e contou com a participação dos músicos e amigos Ceumar, Kléber Albuquerque, Rubi e Tata Fernandes. Ali já experimentavam muitas das canções hoje contempladas nesse primeiro registro musical do ator, que vai do rock ao samba e tem também letras de companheiros de EAD, como Marat Descartes e Gustavo Machado. "A confluência de gêneros é um grande alimento para o artista contemporâneo, que em vez de tentar se enquadrar, pode ampliar o seu espaço de atuação e afinar o seu discurso poético", opina Gero. ServiçoGero Camilo. Sesc Pompéia. Choperia (800 lug.). Rua Clélia, 93, Pompéia, tel. 3871-7700. Hoje, às 21 horas. Grátis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.