Gaiato e experimental, Glasper seduz na estreia

Trio do pianista abriu a emocionada noite de Jimmy Cobb

, O Estadao de S.Paulo

15 de maio de 2009 | 00h00

Uma noite consagradora para o disco Kind of Blue, de Miles Davis, mas também uma noite especialmente alvissareira para os que torcem pela renovação do gênero jazz. A abertura do 2º Bridgestone Music Festival, no Citibank Hall, na noite de quinta-feira, além de celebrar o repertório do mais famoso disco de jazz já gravado, apresentou aos brasileiros o fantástico trio do jovem pianista Robert Glasper.Uma música que mistura em doses perfeitas o experimentalismo e a gaiatice, o virtuosismo e a brincadeira, a arte de Glasper foi introduzida no palco por meio de músicas de composições originais do próprio pianista contidas em seus dois discos pela Blue Note Records, Canvas (2005) e In My Element (2007). Glasper é rigoroso, mas também libertador. É lírico, mas também zombeteiro. Em dado momento, tocou órgão com uma mão e piano com outra. Em canções vertiginosas, como G&B, abriu espaços generosos para sua banda brilhar, especialmente o baterista, Chris Dave, que foi para os braços da galeria, entusiasticamente aplaudido.Depois de Glasper, veio o aguardadíssimo tributo ao disco Kind of Blue, com o sexteto do baterista Jimmy Cobb. Aos 80 anos, vestindo suspensórios e boné, Cobb não está mais para extravagâncias. Só fez dois solos mais enérgicos na noite. Deixou o papel de bandleader para o trompetista Wallace Roney, que, contrariamente à sua disposição tradicional, sorriu muito na noite. Era Roney quem dava a abertura para as entradas dos dois saxofonistas, Vincent Herring e Javon Jackson. Era seu trompete que marcava o ritmo na noite, numa noite especialmente extrovertida do pianista Larry Willis.Eles iniciaram com uma versão mais acelerada de So What, e Wallace Roney arrepiou com seus solos nas duas grandes baladas do disco, Green in Blue e All Blues. O baixo de Buster Williams é a discrição total, e Vincent Herring ("dublê" de John Coltrane) tocava um pouco longe do microfone, seus solos perdiam um pouco.O grupo foi muito aplaudido ao final, e a plateia não arredou pé até que voltassem para um bis - mas já tinham tocado todas as 5 canções do álbum. Ainda assim, tocaram mais uma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.