Divulgação
Divulgação

Gabrielle Berlatier: a dona da orelha de Van Gogh, segundo jornal

Resposta para uma pergunta que durava 130 anos veio após lançamento de livro sobre o ato do pintor

EFE

22 Julho 2016 | 12h59

O jornal britânico The Art Newspaper publicou nesta quinta-feira, 21, a resposta para uma pergunta que existe há quase 130: quem era a pessoa que recebeu orelha que o pintor Vincent Van Gogh cortou e eis que ela atendia pelo nome de Gabrielle Berlatier, uma jovem filha de agricultores.

Após cortar a própria orelha esquerda em dezembro de 1888, Van Gogh (1853-1890), a deu à jovem francesa, que tinha 18 anos e trabalhava em um bordel, provavelmente como empregada.

Para identificar à moça, cuja identidade permaneceu oculta por exatos 127 anos, a revista seguiu as pistas que apareciam no livro Van Gogh's Ear: The True Story (ainda sem versão para o Brasil), lançado na semana passada e no qual a autora se refere a uma mulher como a pessoa que recebeu a orelha do pintor.

A escritora e historiadora irlandesa Bernadette Murphy afirma na obra que decidiu esconder o nome da mulher por conta de um pedido da família dela para não revelá-lo. Ela também descobriu que Van Gogh cortou a orelha esquerda em vez de apenas o lóbulo, como se acreditava até agora.

Após os estudos da escritora, o The Art Newspaper contou que deu início a uma pesquisa minuciosa que os levou a rastrear os arquivos do Institut Pasteur, em Paris, onde esteve uma paciente chamada Gabrielle Berlatier, que contraiu raiva depois de ser mordida por um cachorro em janeiro de 1888.

O nome 'Gaby' apareceu pela primeira vez em um artigo de 1936, que citava Alphonse Robert, o policial que em 23 de dezembro de 1888 recebeu a ligação do bordel no qual Van Gogh se cortou. Após fazer isso, o pós-impressionista entregou o órgão à jovem, que decidiu não contar o caso a ninguém, segundo a revista.

A publicação também descobriu que Gabrielle, já recuperada, trabalhou como faxineira no Café de la Gare, em Arles, no sul da França e que era propriedade de amigos de Van Gogh, local que o pintor frequentou entre maio e setembro de 1888 e onde pintou Le Café de nuit.

O fato de que a jovem conhecer os donos do local levou a revista a concluir que Gaby era alguém com que Van Gogh via regularmente.

* Mostra em Amsterdã reabre debate sobre saúde mental de Van Goghcortada

 

 

Mais conteúdo sobre:
Vincent Van GoghVan Gogh

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.