Eddie Adams
Eddie Adams

Foto que mudou opinião sobre a Guerra do Vietnã faz 50 anos

Imagem feita por Eddie Adams, 'Execução em Saigon' venceu o Prêmio Pulitzer de 1969

Ansa

30 Janeiro 2018 | 15h15

A foto conhecida como Execução em Saigon, tirada pelo fotojornalista Eddie Adams durante a Guerra do Vietnã, completará 50 anos na próxima quinta-feira, 1.

A imagem foi registrada durante a Ofensiva do Tet - desdobramento da Guerra do Vietnã em que vietcongues (membros da Frente Nacional para a Libertação do Vietnã), numa tentativa de unificar o país, estavam em confronto com vietnamitas do sul e com as forças norte-americanas.

O fotojornalista da Associated Press Eddie Adams cobria o conflito, quando encontrou o general Nguyen Ngoc Loan, chefe da polícia nacional vietnamita, considerado um "herói" em Saigon.

Ele algemava um homem, Nguyen Van Lém, líder da Frente Nacional para a Libertação do Vietnã - possível associação responsável pelos assassinatos de diversas pessoas.

O fotógrafo conta que, enquanto focava a câmera na cena, o policial se aproximou do civil apontando uma arma. Adams conseguiu registrar o momento do disparo.

Posteriormente, ele afirmou que acreditava se tratar apenas de uma ameaça e não previa que o general fosse executar Lém em sua frente.

Quando a fotografia chegou ao escritório da Associated Press, em Nova York, houve uma reunião para decidir se a imagem seria publicada ou não, lembra o Diretor de Fotografia da AP na época, Hal Buell. No fim, A Execução de Saigon repercutiu e levou Adams a ganhar o Prêmio Pulitzer.

A imagem, entretanto, causou controvérsias. Em 1975, a Guerra do Vietnã teve fim. O general responsável pela execução do civil desembarcou nos Estados Unidos naquele ano, e o fotojornalista foi requisitado a testemunhar contra ele.

Em uma reportagem para o veículo Times, Adams disse: "Eu ganhei o Prêmio Pulitzer em 1969 por uma fotografia de um homem atirando no outro. Duas pessoas morreram naquela imagem: quem recebeu a bala e o General Nguyen Van Lém".

"O general matou o vietcongue; e eu matei o general com a minha câmera. As fotografias são as armas mais poderosas do mundo. As pessoas acreditam nelas, mas as fotografias mentem, mesmo sem manipulação. Só existem meias-verdades.", completou.

 

Mais conteúdo sobre:
Guerra do VietnãFotojornalismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.