Fletcher do Depeche Mode na Pacha

A diplomacia de Andrew Fletcher salvou o Depeche Mode da dissolução na briga entre Martin Gore e David Gahan pela autoria da letra de Playing the Angel. Quando Alan Wilder chegou à banda, Fletcher assumiu o papel de articulador do grupo, manager e paralelamente montou restaurante, gravou o disco-solo Toast Hawaii e abriu o selo homônimo. Só nos últimos anos voltou a manejar sintetizadores e o baixo do DM - e, como é o único que não canta, entrou numa trip de fazer DJing. ''''Fletch'''' chegou ontem a São Paulo e fala ao Estado sobre a gig de amanhã na Pacha.Restaurateur, popstar e DJ. Como tudo isso se mistura?Vivi os últimos 25 anos, maior parte da minha vida (tem 55), pelo Depeche Mode e tudo aconteceu meio por acidente. Um amigo me chamou para ser sócio de um restaurante, clientes me convidaram para abrir o selo e fazer o DJ foi conseqüência. Mas tudo gira em torno da banda, pois sempre passamos dois anos compondo, outros dois em turnê e temos só um ano para descansar, cuidar da vida e de projetos. Em fevereiro entraremos de novo em estúdio.Como vocês mantêm o frescor do DM?É difícil manter o pique. Estamos mais velhos e não dá para tirar frescor do nada. A maioria dos nossos amigos é da nossa idade. Ouvimos muita música, adicionamos novos elementos à banda, mas continuamos como a melhor banda do mundo (sic!) por estarmos ainda em sintonia com a linguagem eletrônica, que é a popular de hoje em dia. Então, o que fazemos continua soando moderno. O nosso sucesso está incrivelmente fora do nosso controle.Como será o novo disco?Não nos esforçamos para parecer mais jovens. Não sei bem como será o próximo porque isso só é definido dentro de estúdio, quando pegamos nos instrumentos. Mas tenho uma vaga idéia porque ouvi algumas das letras que Martin Gore começou a escrever há seis meses. São na mesma linha das de sempre, sobre relacionamentos. Não somos uma banda política. Deixamos para o Bono, que faz isso bem. Não dá para competir com ele.E seu selo, Tosted Howaii?Não achei nenhuma banda interessante para produzir. Nos próximos anos estarei trabalhando para Depeche Mode e ocupado na função de pai dos meus filhos, então o selo está dormindo.O que vai tocar na Pacha?Toco uma variedade de bandas novas, uma combinação de eletro moderno com coisas mais históricas da nossa banda, que é a melhor do mundo (!), música dos anos 80, rock, dance. Mas não quero falar de artistas, prefiro guardar surpresa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.