Filme de W.G. Pabst é estudo soberbo dos mistérios da alma humana

TALKING CURE: A década de 1920 foi psicanalítica por definição. Saída dos consultórios para o âmbito da cultura, a disciplina de Freud tornou-se coqueluche explicativa de tudo que dizia respeito à vida mental. Na cultura germânica, em especial, a psicanálise encontrou campo fértil de desenvolvimento. E, no cinema, influenciou e ajudou a moldar um movimento tão importante quanto o expressionismo alemão. É nesse contexto que deve ser compreendido Segredos de uma Alma, de G. W. Pabst ( 1885-1967), que está saindo em DVD pela Cult Classic (R$ 32, em média). O filme, um soberbo estudo em preto e branco sobre os mistérios da psique humana, procura ser tão rigoroso quanto possível ao abordar um caso de obsessão e fobia. Freud, em pessoa, teria sido consultado sobre o projeto, mas, como se sabe, era muito reticente em relação à vulgarização das ideias da psicanálise. Achava que poderiam ser barateadas e, portanto, deturpadas por meios de massa como o cinema. No entanto, dois especialistas como Karl Abraham e Hans Sachs serviram como consultores - e seus nomes figuram nos créditos da obra. Trata-se de um caso curioso. Um cientista (vivido por Werner Krauss) vê-se presa de uma estranha obsessão. Temendo fazer mal à esposa, desenvolve fobia por facas de qualquer espécie. Não pode mais sequer cortar um reles bife no almoço. Por sorte, encontra um psicanalista disposto a ouvi-lo. O longa, de 1926, é a história desse tratamento. Da técnica das associações livres à análise do sonho, todo o arsenal terapêutico será mobilizado para trazer à tona ideias reprimidas e assim livrar o paciente do incômodo sintoma. Estamos nas fases iniciais da psicanálise e tudo é mostrado de maneira simples e didática. Bastaria recordar, transformar tudo em palavras, para que viesse o alívio. Era assim que dizia Anna O., a paciente original de Breuer, que batizou a nova terapia de "talking cure". A cura pelas palavras. Que, mais tarde, se mostrariam mais rebeldes e difíceis de domar do que julgavam os psicanalistas pioneiros. O filme é um belo testemunho dessa fase heroica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.