Figurinos do Brasil fazem bonito na Romênia

Trabalhos de grupos como Brincante e Fraternal e de figurinistas como Gabriel Villela são levados a mostra na cidade de Sibiu

Rosane Muniz, O Estadao de S.Paulo

05 de junho de 2009 | 00h00

Apesar do título com que está sendo anunciado, Innovations, a grande atração do Festival Internacional de Teatro de Sibiu, na Romênia, são as remontagens dos espetáculos Metamorfose e Fausto, do diretor romeno Silviu Purcarete, com o elenco fixo de mais de 70 atores do Teatro Nacional Radu Stanca, de 2007.Com uma estética dramática e intensa, a cenografia de Helmut Stürmer reforça os confrontos do texto e materializa tensões e ansiedades ao ultrapassar o espaço com verdadeiras máquinas de engenharia teatral. Na primeira apresentação de Metamorfose, público e plateia foram surpreendidos pelo frio repentino. O espetáculo ao ar livre, representado quase integralmente dentro da água, provocou ainda mais com a interpretação da atriz Ophelia Poph Si, grande destaque no evento.O festival romeno começou no dia 28 de maio, reunindo performers e artistas internacionais de mais de 30 países na sua 16.ª edição, que termina hoje, dia 5. Espetáculos, performances de teatro, dança e música, entre outros, acontecem durante todo o dia, em diferentes localizações da cidade, fortalecendo as inquietações principais do evento: "proporcionar um ambiente criativo, com um antropológico horizonte dilatado através de e pelo teatro". Como parte do festival, aconteceu o Simpósio Internacional sobre Figurino Teatral, com o tema "A influência do traje folclórico e regional na indumentária teatral". A exposição de fotografias, croquis e trajes e a Parada de Figurinos trouxeram desde os índios nativos americanos aos caftans da Turquia, quimonos japoneses e trajes de época dinamarqueses, marcando a presença brasileira com criações de Gabriel Villela, Fraternal Cia. de Artes e Malas-Artes, Instituto Brincante, Grupo Babado de Chita, entre outros.Atrações como a Parada Elefantesca, com um boneco de elefante construído em tamanho natural e manipulado por atores franceses de Lyon, caracterizados como indianos, também pararam as ruas da cidade. O concerto Fado, Polska and Beyond, um projeto de Estocolmo e Lisboa, e a performance de dança Manimation, da Companhia de dança Nadine Bommer, de Israel, são alguns dos espetáculos do festival, que termina hoje com a apresentação da polonesa Quixotage, pelo Teatr Kto, na principal praça da cidade de Sibiu. A repórter viajou a convite da organização do festival

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.