''Fico muito mais atento ao que não é moda''

O artista plástico Arthur Luiz Piza não acredita em coisas definitivas nem implacáveis. A passagem do tempo lhe deu uma simples e valiosa lição: o que ontem foi desprezado pode surpreender hoje. Piza nasceu em São Paulo, em 1928. Nos anos 40, estudou pintura com Antonio Gomide. Em 1951, mudou-se para Paris, onde trabalhou no estúdio do gravurista alemão Johnny Friedlaender. Dali em diante, Arthur Luiz Piza se tornou um especialista em técnicas variadas. Abandonando as mais tradicionais, ele desenvolveu um método peculiar de gravar nas placas com martelos e cinzéis. Ele diz que o construtivismo e o cubismo foram fundamentais para sua reflexão. Participou da 2ª Bienal de São Paulo em 53, sendo premiado. Em 1966, integrou a Bienal de Veneza e ganhou o prêmio de gravura. Seu trabalho se encontra nos acervos dos principais museus do mundo - o Museum of Modern Art (MoMA) e o Guggenheim Museum, em Nova York; a Bibliothèque Nationale de France e o Centre Georges Pompidou, em Paris. No Brasil, seus trabalhos estão expostos no Museu de Arte Contemporânea e no Museu de Arte Moderna, ambos em São Paulo. Em 2002, a Pinacoteca do Estado e o Museu de Arte do Rio Grande do Sul organizaram importante retrospectiva de sua obra. Também foi homenageado com exposição na Fundação Calouste Gulbenkian, em Paris.O livro Arthur Luiz Piza (Cosac Naify), com textos de Christine Frérot e Michel Nuridsany, reúne 160 imagens de gravuras, colagens, relevos, objetos e aquarelas, um percurso visual dos trabalhos de meados da década de 1950 até as criações mais recentes. Até 20 de dezembro, o Gabinete de Arte Raquel Arnaud (tel.: 3083-6322) expõe a escultura Meu Tatu, ao lado de mais de 15 obras - a mostra é gratuita. Segundo Piza, "Meu Tatu é no fundo a síntese de um todo, ao mesmo tempo caminho e resultado de encontros, reencontros, arranjos, desarranjos, é uma obsessão, a necessidade da ocupação do espaço." Que obras você visita sempre que pode? Carré Noir, do pintor russo Kazimir Malevitch, e Les Demoiselles d?Avignon, do espanhol Pablo Picasso. Malevitch é uma coisa pessoal, sou obcecado pela Carré Noir, ela me revolucionou internamente. Até hoje tento escapar dela de alguma maneira, mas ela está sempre presente. Les Demoiselles... foi muito importante para minha transformação também. E qual delas fica melhor com o passar do tempo? Carré Noir, do Malevitch. Ela é uma das obras mais revolucionárias da pintura.Dê exemplo de um bom artista injustiçado. O pintor francês Jacques Villon, irmão do Marcel Duchamp. Ele viveu um momento em que, dizia-se, a pintura parecia ter acabado, mas isso não é verdade, como o tempo provou. Não quero nem gosto de ser categórico. Tenho horror ao que dizem ser moda ou não. Tudo é, e sempre vai ser.Cite uma obra que frustrou suas melhores expectativas. Eu me desaponto raramente e, quando isso ocorre, esqueço o desaponto. Às vezes a gente se desaponta por um momento, depois passamos a gostar de coisas de que não gostávamos antigamente. Não acredito em coisas definitivas nem implacáveis. Podemos ir para frente e depois voltar para trás.E um artista surpreendente, ou seja, bom e pelo qual você não dava nada. Eu, como velho, me surpreendo sempre e não elimino nada totalmente. Eu hoje olho as coisas com mais atenção. Resgato coisas passadas e fico muito mais atento ao que não é moda.Que obra boa lhe fez mal, de tão perturbadora? Guernica, do Picasso. Guernica é extraordinária, é uma obra que explode tudo. Eu a vi, pela primeira vez, em São Paulo, na 2ª Bienal, em 1953. O curioso é que eu moro ao lado do ateliê onde ele fez a Guernica, aqui em Paris. Há ainda espaço para a narrativa na arte contemporânea? Há sim! Nada é eliminado definitivamente na arte.A arte reflete a realidade ou cria seu mundo próprio? A arte é um mundo próprio, ela não nega nem aceita a realidade, ela é outra coisa.Cite um artista que você acha muito bom, sem jamais ter visto uma obra dele.Eu adoraria conhecer esse artista.E um artista difícil, mas indispensável. O pintor irlandês Francis Bacon. Ele tem outra maneira de se expressar. Ele é bem complicado, tem aquele lado de terror, mas, ao mesmo tempo, é dono de uma grande habilidade como pintor. Ele mexe com muita coisa, e tem uma grande beleza plástica.Que obra você modificaria para torná-la melhor? Monalisa, do pintor italiano Leonardo da Vinci. A Monalisa é tão Monalisa que dá vontade de fazer um bigode nela, como fez o Marcel Duchamp.Que obra é impossível melhorar? A do pintor holandês Piet Mondrian. Ele tem uma perfeição tão grande que é difícil imaginá-lo de outra maneira.Que artistas contrariam suas convicções mas mesmo assim você julga geniais? Francis Bacon e Paula Rego, uma artista portuguesa. A Paula faz grande sucesso em Portugal, onde é a artista de obra mais bem cotada, e na Inglaterra, mas ela é pouco conhecida no Brasil. Ela é extraordinária, nunca fizeram nada aqui com ela. Ela é terrível, não é bem o meu caminho, ela é a figuração total. Cite as escolas mais importantes para sua reflexão artística.Cubismo e construtivismo.E dentre os modernistas, qual é o seu preferido? O que é modernista? O agora, o ontem ou o anteontem? Cito Pierre Bonnard, Kazimir Malevitch, Jackson Pollock e Wilfredo Lam.Quais dos artistas que vieram à tona na segunda metade do século 20 produziram as obras mais marcantes? Ernesto Neto e Tunga. Para que artista brasileiro, de qualquer tempo, você escreveria um elogio público? Franz Krajcberg. Embora tenha nascido na Polônia, ele é o pintor mais voluntariamente brasileiro que eu conheço. Ele é integrado à nossa floresta. Essa vontade de querer ser brasileiro é que eu acho formidável.Cite um vício das artes plásticas que você considera abominável. Arte não tem vícios nem virtudes, mas, se quiser, posso dizer que não gosto do lado mundano da arte. O lado mundano conta muito atualmente, as pessoas ficam desesperadas se não saem no jornal ou aparecem em coquetéis.Que virtude mais preza na boa arte? Gosto da simplicidade. É quando falta ao artista aquela preocupação em competir. A preocupação da boa arte deve estar voltada para si mesma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.