Festival de Veneza em visita ao Brasil

Pelo quarto ano, programação traz ao País alguns dos melhores filmes que representaram a Itália no evento internacional

Luiz Zanin Oricchio, O Estadao de S.Paulo

25 de novembro de 2008 | 00h00

Com Il Papà di Giovanna, de Pupi Avati, e na presença do ator principal, Silvio Orlando, será aberto hoje no Auditório Ibirapuera o Venezia Cinema Italiano IV. A mostra se dedica a divulgar o cinema italiano recente, que tem pouca oportunidade no circuito comercial brasileiro. Os sete filmes escolhidos, como o título da mostra indica, participaram do recente Festival de Veneza, o mais antigo do mundo, e que se realiza em setembro na cidade italiana.Il Papà di Giovanna, o filme de abertura da mostra paulistana, teve boa acolhida no Festival de Veneza. Em especial, pela atuação de Silvio Orlando, ator completo e um dos profissionais mais amados em seu país. Ele faz o papel de um pai infeliz e superprotetor de uma filha adolescente bastante problemática. O filme é centrado no papel de Orlando, professor modesto, casado com uma mulher belíssima (Francesca Neri). Depois que um crime acontece, a vida de Orlando vira uma bagunça. Perde o emprego, a mulher o abandona, mas continua devotado à filha, agora internada em hospital psiquiátrico. A história se passa durante o governo fascista de Mussolini e avança até o pós-guerra. "Há muito me interesso pela figura do pai e por seu enfraquecimento na época atual", disse Avati durante o festival.Terra Vermelha, de Marco Bechis, já é conhecido do cinéfilo paulistano, pois abriu a Mostra de Cinema deste ano. Entra em circuito comercial nesta sexta e, apesar de levar bandeira italiana na produção, mais brasileiro não poderia ser. Seu tema é o drama dos guarani-kaiowás, muitas vezes levados ao suicídio por falta de condições de sobrevivência. A história evoca a persistente luta pela demarcação de suas terras e o faz com grande sentido de dramaturgia e nenhuma concessão ao bom-mocismo habitual em filmes sobre índios. Tem elenco de atores conhecidos brasileiros e italianos (Matheus Nachtergaele, Leonardo Medeiros, Chiara Caselli, etc.). Mas são os índios os protagonistas.Un Giorno Perfetto (Um Dia Perfeito), de Ferzan Ozpetek (diretor nascido na Turquia, radicado na Itália) faz ironia com a jornada infernal de uma mulher separada de um marido lunático e inconformado. Como se isso não bastasse, ela tem dois filhos pequenos para criar. Com narrativa em flash-back, começa com a chegada da polícia a um edifício de onde se ouviram disparos de arma de fogo e recua 24 horas para contar o que sucedeu. Ozpetek tenta criar personagens verossímeis como Emma (Isabella Ferrari) e Antonio (Valerio Mastrandea), escapando dos estereótipos fáceis. Não é mau filme, mas a tensão interna buscada só se expressa em alguns momentos. Falta-lhe algo.Por outro lado, O Sêmen da Discórdia, de Pappi Corsicato, protagonizou um dos momentos mais polêmicos do Festival de Veneza, sobretudo para a imprensa estrangeira, que odiou o filme. Na história, Verônica (Caterina Murino) é uma bela mulher, dona de butique, casada com um vendedor de fertilizantes (Alessandro Gassman, filho do grande Vittorio). Resolvem ter um filho, esforçam-se de maneira burocrática, mas nada acontece. Seu teste de gravidez finalmente dá positivo, mas no mesmo dia em que o marido se descobre estéril. Com isso, Corsicato se põe a discutir gravidez, paternidade, fidelidade, aborto, estupro, etc. O trabalho procura se fazer à maneira de Almodóvar, mas Corsicato diz que não alimenta qualquer preocupação autoral. "Tudo aquilo que trago é fruto da minha experiência no cinema, de coisas que vi e de que gosto." Além desses quatro títulos, a mostra programou Almoço em Agosto, de Gianni Di Gregorio, Pa-ra-da, de Marco Pontecorvo, e a cópia restaurada de Os Monstros, de Dino Risi, filmes que participaram em outras seções da mostra veneziana. ServiçoVenezia Cinema Italiano IV. Auditório Ibirapuera. Av. Pedro Álvares Cabral, s/n.º, 3629-1075CCSP. R. Vergueiro, 1.000, 3383-3402. Grátis. Cine Bombril. Av. Paulista, 2.073, 3285-3696. Grátis. Retirar ingressos 1 h antes. Até 30/11

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.