Feira de arte tem Van Gogh à venda

A Tefaf - Feira Europeia de Belas Artes, que começa dia 13, oferece tela do holandês por 25 milhões

Antonio Gonçalves Filho, O Estadao de S.Paulo

06 de março de 2009 | 00h00

Uma tela pintada por Van Gogh em 1889, quando estava internado no hospital de Saint-Paul, poucos meses depois de cortar a orelha e ferir Gauguin com uma navalha, é uma das obras raras à venda na 22ª edição da Feira Europeia de Belas Artes (Tefaf), que começa no dia 13 em Maastricht, Holanda. A tela, que mostra um cipreste e outras árvores do jardim do hospital , está numa coleção particular suíça há quase meio século e, desde 1963, quando o atual proprietário a comprou, só foi vista em três ocasiões nas duas décadas seguintes. Ela está à venda por 25 milhões.Van Gogh é uma das muitas estrelas dessa que é considerada a mais prestigiada entre as feiras de arte do mundo. Este ano a Tefaf vai contar com a participação de 239 dos principais marchands internacionais, oferecendo ao público obras que fazem parte do acervo de grandes museus, galerias e coleções privadas. Não só impressionistas como Van Gogh como mestres antigos - um dos destaques é o holandês Roeland Savery (1576-1639)-, vanguardistas (Man Ray) e até o papa da arte pop (Andy Warhol) disputam espaço na feira, cujos expositores vão apresentar obras modernas e antiguidades avaliadas em US$ 1 bilhão.Mais de 73 mil pessoas visitaram a feira no ano passado, entre eles dois grupos da China continental. Na ocasião, o aeroporto Maastrich-Aachen registrou um congestionamento do tráfego aéreo com 220 jatos particulares pousando durante o evento, que atraiu curadores de 165 museus de 18 países, entre eles o Louvre, a National Gallery e o Metropolitan de Nova York. Compreensível. Tudo o que é vendido na feira passa pelas mãos de 25 comitês com 155 experts, que atestam a autenticidade e garantem a origem das obras.Sabe-se, por exemplo, que a tela de Van Gogh, O Parque do Hospital Saint-Paul, pintada entre setembro e outubro de 1889, estava pendurada na parede do quarto usado como estúdio por Van Gogh durante sua permanência na clínica de Saint-Rémy. Ele passou um ano em tratamento e matou-se com um tiro no peito dois meses depois de deixá-la. Há uma aquarela que retrata o quarto em que a tela à venda aparece ao lado direito da janela. O óleo está sendo vendido pela Dickinson, uma conhecida firma com escritórios em Londres e Nova York.Este ano se espera na Tefaf a visita de novos colecionadores de economias emergentes. Além de telas, esculturas (de uma estátua egípcia avaliada em quase 3 milhões a Giacometti), joias e manuscritos, a Tefaf anuncia este ano uma seção de design contemporâneo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.