EFE/Juan Carlos Hidalgo
EFE/Juan Carlos Hidalgo

Feira Arco é inaugurada em Madri com obras de 218 galerias

Com mercado de arte mais otimista na Espanha, 34.ª edição do evento homenageia a produção contemporânea da Colômbia

Agência EFE

26 de fevereiro de 2015 | 16h31

 Depois de anos muito duros devido aos efeitos da criseeconômica espanhola sobre o mercado de arte, a Arco Madri 2015 recupera suaforça e otimismo. Os reis da Espanha, Felipe e Letizia, realizaram nestaquinta-feira, 26, a inauguração oficial da tradicional feira contemporânea,atualmente, em sua 34.ª edição. No total, o evento apresenta obras de 218galerias de 29 países, dentre elas, 13 brasileiras. A abertura para o público,em geral, ocorrerá nesta sexta-feira, 27, que terá até domingo, 1.º/3, paravisitar a Arco 2015.

Neste ano,  a feiraespanhola, nos pavilhões 7 e 9 do complexo Feira de Madri, homenageia aColômbia, exibindo destaques de sua arte contemporânea. A seção dedicada aopaís latino-americano na Arco 2015 tem curadoria de Juan Gaitán, que afirmou àEFE a decisão por selecionar "um grupo de artistas muito jovens, menosconhecidos". Entre os participantes, a artista colombiana María JoséArjona propõe com o trabalho Construindo o Tempo uma performance de10 horas na qual transporta, de um lado a outro, 500 quilos de areia (suasações ocorrerrão no fim de semana na CaixaForum de Madri).

Dos brasileiros na Arco 2015, faz-se a presença de galerias deSão Paulo - Baró, Casa Triângulo, Dan, Emma Thomas, Jaqueline Martins, Leme,Luciana Brito, Luisa Strina, Millan, Pilar e Vermelho - e do Rio - Anita Schwartze Silvia Cintra. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.