Christie's
Christie's

Famosa cópia da 'Mona Lisa' é leiloada por 2,9 milhões de euros

A excelente cópia da obra prima de Leonardo da Vinci foi comprada por um colecionador estrangeiro, que venceu outros 14 licitantes

Agências, AFP

18 de junho de 2021 | 16h17

Paris, França - A Mona Lisa Hekking, uma famosa cópia da Mona Lisa do século 17, cujo proprietário defendeu como autêntica nos anos 1960, foi vendida por 2,9 milhões de euros (o equivalente a  R$ 17,3 milhões, na cotação atual), anunciou nesta sexta-feira, 18, a  Christie's, que promoveu o leilão online.

A excelente cópia da obra prima de Leonardo da Vinci foi comprada por um colecionador estrangeiro, que venceu outros 14 licitantes, disse a casa de leilão em Paris.

A obra foi inicialmente avaliada entre 200 mil e 300 mil euros (entre R$ 1,2 milhão e R$ 1,8 milhão). Com os impostos, o preço da venda chegou a 2,9 milhões de euros.



A réplica protagonizou primeiras páginas de jornais e manchetes de programas de rádio depois que o colecionador Raymond Hekking a comprou de um antiquário na região francesa de Nice (sul).

Raymond Hekking, apaixonado pela arte, defendeu a autenticidade desta pintura perante a imprensa e historiadores da arte até a década de 1960. Ele questionava a autenticidade da obra preservada no Louvre e pediu ao museu parisiense para provar que Leonardo da Vinci era realmente o seu autor.

Obcecado pela ideia de possuir a obra-prima de Leonardo, Hekking acreditava que não foi a Mona Lisa real que foi restaurada no Louvre em 1914, três anos após o primeiro roubo da pintura em 1911 pelo italiano Vincenzo Perugia, e que uma cópia tinha sido devolvida.

Após a morte de Raymond Hekking em 1977, a pintura permaneceu na posse de sua família.

A 'Mona Lisa' entrou nas coleções de Francisco I da França pouco depois de 1517. Várias cópias foram feitas posteriormente no início do século 17, entre elas a adquirida por Raymond Hekking.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.