Falcão Negro, um Ridley Scott que merece ser reavaliado

Ridley Scott ficou famoso como criador de mundos, por seus filmes que viajam ao passado e ao futuro para propor personagens em conflito com um mundo invariavelmente em perigo. Alguns se tornaram clássicos, como Alien, O Oitavo Passageiro e Blad Runner, o Caçador de Andróides. Mas não houve recepção tão grande para Falcão Negro em Perigo, que passa no HBO, às 17h30.Por haver se baseado em episódio da intervenção norte-americana na Somália, Scott foi acusado de fazer cinema colonialista e guerreiro. É exatamente o oposto da sua proposta, ele faz uma devastadora anatomia da guerra criticando as estruturas de poder que sacrificam soldados como peões em tabuleiro de xadrez. A cena em que o soldado atingido por uma bomba fica com as víceras à mostra é aflitiva, para dizer-se o mínimo.Mas o grande momento de Falcão Negro talvez seja a cena mais curta do filme, como contraponto à do soldado que explodiu. Um pai somali passa diante do jipe militar conduzindo o cadáver do filho criança. A cena dura poucos segundos, mas seu impacto permanece com o espectador. Scott possui o segredo de construir imagens tão impactantes quanto brilhantes. A guerra de Falcão Negro, com Josh Hartnett, é experiência radical.

Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

13 de agosto de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.