Fábrica mais famosa do País trocou a luteria pelo industrial

Luthiers da centenária Di Giorgio recebiam pessoalmente clientes como João Gilberto, Roberto Carlos e Tom Jobim

Lucas Nobile, O Estadao de S.Paulo

11 de agosto de 2009 | 00h00

Na contramão do trabalho artesanal dos luthiers que trabalham para os maiores violonistas do Brasil, que fazem pouquíssimos instrumentos por ano - alguns chegando a custar R$ 15 mil -, estão as grandes fábricas de violões nacionais e estrangeiras. Empresas com centenas de funcionários, que chegam a montar uma linha de produção em série, usando um maquinário de última geração para fabricar cerca de 4 mil violões mensais. O resultado, é um trabalho descaracterizado, distante das necessidades e demandas da clientela. "Nunca entrei em uma fábrica de instrumentos. Não estou preso a convenções, minhas principais ferramentas são o ouvido e a intuição. Cada vez que dou um passo histórico para trás, dou outro de qualidade para frente. Faço um trabalho mais demorado", explica o luthier Lineu Bravo.Embora ainda tenha uma linha mais personalizada, foi-se o tempo em que a Di Giorgio, a centenária fábrica de violões mais famosa do Brasil, tinha luthiers que seguiam a linha de seu fundador, Romeo Di Giorgio, e estabeleciam uma relação mais próxima com o violonista. A empresa, que recebia visitas de clientes do porte de João Gilberto, Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Roberto Carlos, Gilberto Gil, Baden Powell, Dorival Caymmi, Edu Lobo, Jorge Benjor e Sérgio Ricardo (que destruiu seu Di Giorgio no palco do histórico Festival da TV Record, em 1967), hoje vê seus instrumentos saírem de uma fábrica com mais de 10 mil metros quadrados de área construída. A relação que a empresa estabelecia com os artistas era tão estreita, que alguns até enviavam cartas de agradecimento. Como a que está publicada no livro Violões Di Giorgio - Os Primeiros Cem Anos (edição de luxo, que não está à venda), escrita por Tom Jobim a Reinaldo Proetti, em fevereiro de 1965. "Querido Reinaldo, estou aqui nos USA e a guitarra que você me preparou até agora está perfeita! Está amaciando e o som cada dia está melhor! Desculpe a rapidez deste bilhete pois você merece muito mais".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.