Theodor Preising
Theodor Preising

Exposição recupera cartões-postais de São Paulo clicados no século passado por Theodor Preising

Às vésperas da comemoração dos 100 anos da chegada do fotógrafo ao Brasil, mostra na Unibes Cultural relembra seu olhar para a cidade

Simonetta Persichetti, Especial para o Estadão

18 de agosto de 2021 | 05h00

Início do século 20. A cidade de São Paulo começa a alterar sua geografia – aos poucos, a vila se moderniza e começa seu caminho para se transformar em metrópole. Suas vias se enchem de carros, casas dão lugar aos primeiros arranha-céus. A cidade cresce. Foi esse cenário que atraiu o olhar de Theodor Preising (1883-1962), um alemão que chegou ao Brasil em 1923, aos 40 anos. Ele deixou uma Alemanha que vivia um grande momento cultural, com a criação da Bauhaus, da Escola de Frankfurt e sua teoria crítica, do desenvolvimento do dadaísmo e das vanguardas artísticas, e do surgimento das revistas ilustradas, que abriam cada vez mais espaço para a fotografia, considerada uma linguagem moderna. 

Preising chegou ao Brasil fotógrafo, com experiência em estúdio produzindo retratos. Inicialmente, ele se estabeleceu no Guarujá e iniciou a comercialização de cartões-postais de terceiros. Não se fixou por muito tempo na cidade litorânea, pois logo percebeu que seria em São Paulo onde poderia retomar seu trabalho como fotógrafo. E foi nesta cidade que começou a produzir os seus cartões-postais. Suas vistas da cidade de São Paulo traziam um olhar estrangeiro, mas que identificava o vigor e a pulsão que a habitavam. 

Agora, às vésperas da comemoração dos 100 anos de sua chegada ao Brasil, o Unibes Cultural apresenta, até o dia 28 de agosto, a exposição Theodor Preising, um Olhar Moderno, São Paulo, produzida por Douglas Roberto Aptekmann, seu bisneto, e com curadoria do professor e pesquisador Rubens Fernandes Junior. “Reunimos um expressivo conjunto de fotografias da cidade de São Paulo”, explica Fernandes Junior. “Ao mesmo tempo que mostra o vigoroso progresso urbano da emergente metrópole, a exposição busca reconhecer um olhar que se distancia da simples documentação e se aproxima das estratégias imagéticas da modernidade fotográfica.” 

Assim, por meio de suas fotografias, é possível passear pela Avenida São João, passar ao lado da Biblioteca Mário de Andrade, ver do alto a Praça do Correio ou ter uma panorâmica da Praça da Sé. Podemos ver a cidade na qual se misturam pedestres, carros e bondes. A geometria de suas ruas, os contrastes. “Preising também demonstrava um especial interesse pelo espontâneo e imprevisível movimento urbano, e sabia captar, na imagem, a vida anônima que circulava nas ruas da cidade”, observa o curador.

Seu olhar minucioso o aproximou do lendário Foto Cine Clube Bandeirante, a escola da fotografia moderna por excelência. Participou de exposições e teve suas fotografias publicadas em diversos catálogos no Brasil e no exterior. “Também participou, em 1936, ativamente da Revista S. Paulo, uma experiência gráfica-fotográfica complexa e ousada para os padrões da época, ao lado de Benedito Junqueira Duarte, Menotti Del Picchia e Cassiano Ricardo, entre outros intelectuais, e publicou também no Suplemento de Rotogravura, que circulava no Estadão”, ressalta Fernandes Junior. 

Pode parecer nostálgico nos dias de hoje, quando somos submetidos a um oceano de manchas coloridas que invadem as redes sociais, passearmos pela cidade por meio dos cartões-postais. Não se deve esquecer, porém, que, nas primeiras décadas do século passado, foi justamente o cartão-postal a forma mais eficiente e rápida de comunicação e circulação das imagens e na criação de uma memória da cidade. 

Theodor Preising, um Olhar Moderno, São Paulo

  • UNIBES CULTURAL. RUA OSCAR FREIRE, 2.500, SUMARÉ. 3ª A 6ª, 14H/19H. ENTRADA GRATUITA COM AGENDAMENTO – TEL. (11) 98442-9811. ATÉ 28/8

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.