Exposição no Masp traz novos olhares para a obra de Lina Bo Bardi

Exposição no Masp traz novos olhares para a obra de Lina Bo Bardi

'Lina Bo Bardi: Habitat', que será aberta nesta sexta, 5, faz homenagem a uma das maiores artistas da arquitetura do País; mostra é paralela à exposição 'Tarsila Popular'

Pedro Rocha, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

04 de abril de 2019 | 03h00

Seguindo a tradição dos últimos anos, mais uma vez o Masp realiza, ao longo do ano, exposições que se abrigam sob um mesmo tema. Para 2019, o assunto a ser trabalhado é a História das Mulheres, Histórias Feministas. É nesse contexto em que se encaixa Tarsila Popular, mas também uma outra exposição que será aberta no museu nesta sexta-feira, 5, homenageando uma das maiores artistas da arquitetura do País e um dos nomes mais importantes para a instituição.

Lina Bo Bardi: Habitat traz novos olhares para a obra da arquiteta responsável pela fundação do Masp, ao lado do marido, Pietro Maria Bardi, e de Assis Chateaubriand, em 1947, e que foi a autora do projeto do prédio onde hoje está o museu, na Avenida Paulista, inaugurado em 1968.

Habitat era o nome da revista criada por Lina Bo Bardi (1914-1992), mas também uma referência para a terra em que a italiana se naturalizou, o Brasil. Dividida em três núcleos, a mostra usa uma expografia criada pela própria Lina para falar de questões centrais da sua obra.

O primeiro se chama O Habitat de Lina Bo Bardi. “Está mais ligado ao desenvolvimento intelectual e à formação da Lina, falamos das revistas que ela participou também na Itália, até chegar na revista Habitat aqui no Brasil, um marco para a crítica de arte”, afirma um dos curadores, Tomás Toledo.

O segundo setor, Repensando o Museu, traz os diversos projetos de Lina para os espaços museográficos, desde desenhos de prédios, áreas internas, expografias e curadoria de exposições. Entre os mais famosos projetos, o próprio Masp e os museus de Arte Moderna e de Arte Popular, em Salvador, na Bahia, onde ela chegou a morar por alguns anos.

Para finalizar, Da Casa de Vidro à Cabana destaca a trajetória de Lina como projetista. “Falamos sobre o processo de desaprendizagem do moderno. Ela saiu de um núcleo muito intenso do modernismo e foi cada vez mais se desvencilhando, absorvendo novos saberes e vocabulários aqui no Brasil”, explica Toledo.

Masp. Av. Paulista, 1.578. tel. 3149-5959. 4ª a dom., 10 às 18h. R$ 40. 3ª, 10 às 20h. Gratuito. Até 28/7

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.