Rogério Cassimiro
Rogério Cassimiro

Exposição de design tem como foco projetos para cachorros

Mostra na Japan House, em São Paulo, conta com 15 peças desenvolvidas por arquitetos e designers para o melhor amigo do homem

Pedro Rocha, Especial para o Estado

02 de fevereiro de 2019 | 03h00

Os cachorros, melhores amigos do homem, têm ganhado cada vez mais produtos pensados especificamente para eles, afinal, hoje os animais já são vistos como parte de muitas famílias no Brasil e no mundo. Por isso, uma exposição de design voltada para os cães está aberta, em São Paulo, na Japan House.

Intitulada Architecture for Dogs: Arquitetura para Cães, a mostra já passou por Estados Unidos, Japão e China e chega agora pela primeira vez ao Brasil. Ao todo, são 15 projetos, desenvolvidos por profissionais das áreas de design e arquitetura. Para a exposição em São Paulo, um projeto inédito de um escritório de arquitetura brasileiro, o FGMT, é apresentado. 

As peças são variadas e apresentam não apenas casas de cachorro como objetos e projetos para o interior das casas, que facilitam a interação das pessoas com os seus cães, por meio de cadeiras especiais e escadas, por exemplo. Todos os projetos foram desenvolvidos na escala dos cães, a depender da raça que é mais privilegiada com cada um dos protótipos. 

A mostra ocupa todos os espaços expositivos da Japan House, incluindo o jardim externo. Já que a entrada dos cachorros é proibida dentro do centro cultural, os animais podem experimentar três projetos que estão do lado de fora, a obra Mount Pug, de Kengo Kuma, Architecture for Long-bodied-short-legged Dog, de Yoshiharu Tsukamoto e Momoyo Kajiima, e Beagle House, do escritório MVRDV.

Para o curador da exposição, o designer Kenya Hara, que é diretor criativo do projeto Japan House globalmente e atua também como diretor criativo da marca japonesa Muji, apesar de ser um tema leve e, para muitas pessoas, divertido, os projetos foram levados muito a sério pelos profissionais. "Quando pedi aos arquitetos e designers que desenvolvessem projetos para cachorro, ninguém entendeu como uma brincadeira", afirma. "Olharam para o projeto como algo real e colocaram o seu melhor trabalho em prática."

Para Hara, a exposição diferente de outras mostras de design, abrange um público muito maior. "Os cães estão no nosso cotidiano, qualquer pessoa que vier para a exposição vai compreender os projetos", acredita. "É diferente de um projeto de arquitetura voltado para alguma coisa mais específica, como carros, que só quem entende do assunto compreende a exposição."

Todos os projetos presentes na mostra podem ser facilmente adaptados para os lares brasileiros. Por meio do site architecturefordogs.com, os visitantes podem ter acesso gratuitamente aos desenhos dos protótipos, caso queiram reproduzí-los em suas casas. 

Para cada tipo de cachorro, um projeto diferente

Para a raça labrador, ou outros cães de tamanho parecido, o arquiteto Ma Yansong, de Pequim, na China, desenhou um tapete especial no formato de um grande pedaço de carne. 

Para cães como os da raça beagle, o escritório holandês MVRDV desenhou uma casa de cachorro inspirada na que o famosos Snoopy, dos quadrinhos de Charles Schulz, vivia. A grande mudança é que a casa tem formato curvo, que permite ao animal não apenas conforto, mas momentos de interação e brincadeira com a casa, que pode ser facilmente carregada pelos humanos.

Para cachorros pequenos, como os poodles chamados “toy” ou “teacup”, Kenya Hara desenvolveu um protótipo, intitulado D-Tunnel, em diversos formatos, mas com um mesmo objetivo. Uma escada de madeira que faz com que os cãezinhos consigam subir a uma altura em que possam interagir melhor com os seus tutores. A ideia é promover um maior contato “olho no olho”.

Mais conteúdo sobre:
Japan House

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.