Etiquette

Com o dólar cada vez mais baixo e o brasileiro viajando cada vez mais para o exterior, seria bom reeditar um teipe supostamente preparado pela embaixada brasileira em Paris em 1998 dirigido aos torcedores brasileiros que chegavam para a Copa do Mundo na França. A orientação aos brasileiros era feita por um consultor francês chamado Jean-Paul Faisandé, que começava falando diretamente para a câmera. Torcedor brasileiro: attention. Não ouse chegar na Coup du Monde sem antes tomar lições de etiquette. É para isto que eu estou aqui. Para evitar que você envergonhe o seu país na França, comportando-se como um brasileiro. Primeira lição de etiquette: como entrar num bistrô parisiense. A cena que veremos a seguir, graças a Deus, é uma simulação.Seguia-se uma cena do torcedor brasileiro, de bermuda e camiseta da seleção carregando um bumbo e uma bandeira do Brasil, acompanhado da sua mulher também de bermuda e camiseta, entrando num bistrô espalhafatosamente, escolhendo uma mesa e gritando para o francês atônito atrás do balcão:BRASILEIRO - Ó, amizade. Baixa uma ceva, dois copos e uns quesquecê aí pra beliscá.FAISANDÉ (entrando na cena) - Arréte, arréte, arréte! Está tudo errado. Para começar, mude imediatamente de roupa.A bermuda e a camiseta do brasileiro se transformavam em terno e gravata.FAISANDÉ - Livre-se desse bumbo ridículo.O bumbo desaparecia.FAISANDÉ (depois de examinar a mulher e hesitar) - E desta mulher também.MULHER (começando a protestar) - Espera um po...A mulher desaparecia.FAISANDÉ - Essa bandeira... Não tem uma mais discreta?BRASILEIRO (segurando a bandeira contra o peito) - Epa. A bandeira fica.FAISANDÉ (suspirando) - Está bem. Alors, num bistrô não se entra assim, à la façon de Miguelon. Você espera na entrada para ser recebido e levado àsua mesa. Vamos de novo.O brasileiro entrava no bistrô e ficava esperando que o francês viesse recebê-lo, com Faisandé ao seu lado para instruí-lo. O francês não vinha.BRASILEIRO - Ó, amizade!FAISANDÉ - Amitiê.BRASILEIRO - O, amitiê! Gente boa!FAISANDÉ - Bon gens.BRASILEIRO - Bonjã! Comandante!FAISANDÉ - Commandant!BRASILEIRO - Commandant! Meu chapa!FAISANDÉ - Ma plaque!BRASILEIRO - Ma plaque! Não adianta, ele não vem...FAISANDÉ - Espere. Civilização é saber esperar. Ele está vindo...BRASILEIRO - Mas nessa velocidade? Ó lesma!FAISANDÉ - Escargot.BRASILEIRO - Ó escargot!Cortava para o brasileiro e Faisandé sentados à mesa do bistrô. O brasileiro olhando o prato de escargots à sua frente com cara de nojo.FAISANDÉ (para a câmera) - Segunda lição de etiquette: como comer num restaurante francês. Pediu escargot, tem que comer. Antes de mais nada, certifique-se que o escargot está pronto para ser comido. Se ele ainda estiver se mexendo, é porque não está pronto. BRASILEIRO - Olha, tem um tentando fugir do prato.FAISANDÉ - Deixa ele ir. Espere dez minutos. Se os outros não o seguirem, pode começar a comer.BRASILEIRO - Com que garfo?FAISANDÊ (mostrando) - Com este alfinete.BRASILEIRO - Acho que vou pedir outra coisa.FAISANDÉ (resignado) - Trés bien. Peça o menu.BRASILEIRO - Como se diz menu em francês? Faisandé fazia o possível para se controlar.BRASILEIRO (depois de receber o menu) - Está aqui o que eu quero. Uma boa carne. Este bife tartar deve ser bárbaro.Quando vinha o prato era recebido com outra cara de nojo do brasileiro.BRASILEIRO - O que é isto?!FAISANDÉ - Boeuf tartare. Carne crua picada.O brasileiro desistia. Levantava-se, virando a mês.BRASILEIRO - Eu vou embora! Devolve o meu bumbo. E a minha mulher!FAISANDÉ - Monsieur!BRASILEIRO - Eu quero meu bumbo e a minha mulher!

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.