Estética da fome

Em Berlim, logo após a exibição de Garapa no Forum, houve um debate. A imensa maioria das 300 pessoas que compunham a plateia ficou para discutir o filme com o diretor José Padilha, vencedor do Urso de Ouro, no ano passado, por Tropa de Elite. Um jovem alemão perguntou a Padilha qual o seu objetivo com o filme que passa hoje no É Tudo Verdade e que trata da fome, mostrando pessoas que enganam o estômago tomando um caldo de água com açúcar. Padilha queria dinheiro para criar algum fundo de combate ao problema? Visivelmente emocionado, o garoto acrescentou que, se fosse isso, lhe daria, naquele momento, todo o dinheiro que tinha. Padilha foi incisivo. A fome se combate por meio de vontade política, de planejamento de Estado - e é preciso colocar no plural, de Estados, pois se trata de um problema universal. Em todo o mundo, são 810 milhões de pessoas famintas. Veja o trailer do filme Garapa Por que o filme? "Para que você veja" - para que todo o mundo veja o que não quer ver, a fome crônica, que debilita o indivíduo, consome suas forças, embota seu cérebro e transforma as pessoas em farrapos humanos. José Padilha estará hoje em São Paulo para a exibição de Garapa no 14º Festival Internacional de Documentários É Tudo Verdade. No ano passado, o filme chegou a ser uma das promessas anunciadas da Mostra, mas terminou não integrando a programação. Na sequência do É Tudo Verdade, Garapa vai a Nova York, para seis exibições no Tribeca Festival, de Robert De Niro, entre 24 deste mês e 2 de maio.Desde Berlim, e antes disso, claro, Padilha tem refletido muito. Para ele, Garapa é seu filme mais universal. Ônibus 174 e Tropa de Elite propõem diferentes enfoques de uma realidade que pode ser próxima à de outros países, mas são profundamente encravados na paisagem brasileira e, mais do que isso, carioca. Sandro, o menino de rua, e o Capitão Nascimento, o policial militar, mergulham intensamente na violência e o filme tenta entender, ou expor, o que os leva a essas viagens. Já o problema de Garapa ultrapassa, e muito, as fronteiras do País. Padilha filma três famílias. Em todo o Brasil, são cerca de três milhões, pois as estatísticas contam 11 milhões de famintos. Eles compõem uma fatia mínima, pouco mais de 1%, dos 810 milhões nas mesmas condições, espalhados pelo planeta.São filmes em tudo diferentes, mas próximos na cabeça do diretor. Padilha cita o inglês Desmond Morris, que analisou os comportamentos humanos e animais com base na zoologia. Por mais importantes, e necessárias, que sejam as estatísticas, Padilha, com base em Morris, diz que elas não sensibilizam as pessoas. "O que você vê sente. Se a pessoa é próxima de você, o efeito é outro, seu comprometimento é maior." Por isso, Padilha filma com tanta intensidade - para aproximar o público de Sandro, do Capitão Nascimento, de suas famílias de famélicos.Embora Garapa esteja chegando ao público somente agora, foi feito com Tropa de Elite. Padilha tem um temperamento que o leva a fazer várias coisas ao mesmo tempo. Na verdade - é tudo verdade - Padilha interrompeu a montagem de Garapa para concluir Tropa e, depois, o fenômeno em que o outro filme se transformou o impediu de voltar imediatamente ao filme, que pertence à linha de documentários sociais que o diretor e seu sócio, Marcos Prado, vêm realizando. Estamira, que Prado dirigiu, nasceu como ensaio fotográfico sobre o lixo, na tradição do fotojornalisamo de Roberto Capa e Sebastião Salgado. Estamira, Ônibus e, agora, Garapa expressam o engajamento social da dupla.A foto em preto e branco não é para homenagear o Cinema Novo, mas porque a cor pode dar uma falsa sensação de alegria. Padilha é capaz de falar horas sobre como, em arte, ser fidedigno nem sempre é eficaz. Cita Edward Munch e sua representação ?distorcida? da angústia no quadro O Grito. Em Garapa, quis ser seco, despojado, nenhuma firula. Em busca de subsídios, o diretor bateu na porta de Chico Menezes, do Ibase, um instituto de pesquisas. "Chico me sugeriu que pegasse três famílias, uma da cidade grande, outra bem do interiorzão e a terceira de beira da estrada, numa cidade menor. Seriam três amostragens representativas." No primeiro centro de nutrição que visitou, no Ceará, Padilha encontrou uma de suas personagens. Como documentarista, tentou não interferir, mas, como diz, o dogma não é absoluto e pode ser revogado diante do problema humano. Ele não entrevistou - exceto algumas perguntas, em casos especiais -, mas comprou remédio e levou ao dentista o menino que, só consumindo açúcar, tem dor de dentes. Não comprou comida nem impediu que aqueles pobres homens usassem seus últimos trocados para comprar cachaça, em vez de alimentos.Quem espera do diretor uma crítica ao governo Lula vai se decepcionar. O programa Fome Zero deu resultado, embora não resolva o problema. É por isso que Padilha pede ao repórter que não publique o que você vai ler agora. A quebra de compromisso é para revelar o homem, não o artista. Padilha e seu sócio, Marcos Prado, doaram o filme às famílias enfocadas, mas ele não acredita na caridade, e menos ainda na caridade anunciada, como solução. Só que a história ilustra, melhor do que qualquer outra coisa, o tipo de compromisso que estabelece com seus personagens (e espera que o público estabeleça também). Padilha tem consciência de que pode estar resolvendo o problema de três famílias. Existem três milhões delas no Brasil. Seus problemas, só a vontade política poderá resolver.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.