JOHN THYS / AFP
JOHN THYS / AFP

Estátua romana rara é devolvida à França meio século depois de ter sido roubada

Arthur Brand, apelidado de “o Indiana Jones do mundo da arte", devolveu escultura de bronze do Deus Baco, feita no século I

Jan Hennop, AFP

02 de fevereiro de 2022 | 11h35

Um detetive holandês, especialista em recuperar obras de arte roubadas, devolveu uma rara escultura romana fundida em bronze - considerada um dos maiores tesouros da França - ao museu de onde foi roubada há quase meio século.

Arthur Brand, apelidado de "o Indiana Jones do mundo da arte", devolveu em Amsterdã a escultura de bronze do Deus Baco (ou Dionísio) do século I ao diretor do Museu do 'Pays Châtillonnais' (no leste da França).

Em uma tarde gelada de dezembro de 1973, um grupo amigos quebraram uma vitrine do museu, passaram por entre as grades do portão e roubaram a escultura de apenas 40 cm de altura, que representa o Deus do vinho.

“Os criminosos também levaram outras antiguidades e cerca de 5.000 moedas, todas de origem romana, mas a mais importante foi a estátua de bronze de Baco quando criança”, disse Brand à AFP. "A perda para o museu e sua comunidade foi enorme. Uma de suas peças antigas mais valiosas foi roubada", acrescenta.

“Como naquela época não havia um catálogo adequado de obras de arte roubadas, a escultura desapareceu no submundo (do crime) e acreditava-se que estava perdida para sempre”, continua o especialista. 

A diretora do museu na França, famoso por sua coleção de peças romanas de um sítio arqueológico perto de 'Vertillum', uma vila galo-romana onde as escavações começaram em 1846, disse estar muito animada. "Quando o vi, na mala dele, percebi o quanto era mais bonito do que a cópia que tínhamos", disse Catherine Monnet à AFP.

A história da estátua ressurgiu por acaso há alguns anos, quando um cliente austríaco contactou Brand, que há algum tempo recuperou um Picasso e os chamados "Cavalos de Hitler", uma escultura de bronze em tamanho natural que adornava o exterior da chancelaria em Berlim, quando o ditador a ocupou.

O austríaco pediu que ele investigasse uma estátua de uma criança que ele havia comprado legalmente no mercado de arte. Não encontrando nenhuma referência a ele, Arthur Brand infere que pode ter sido roubado. "A caça foi aberta" para descobrir sua origem, explica. Após meses de investigação, a pista vem de uma foto de uma revista arqueológica de 1927: a estátua representa Baco quando criança e pertencia a um museu francês.

Mais tarde, um relatório oficial da polícia - do qual a AFP tinha uma cópia - revelaria que a escultura havia sido roubada em 19 de dezembro de 1973. Surpreso ao ver isso, o austríaco exigiu que ela fosse devolvida ao museu. "De acordo com a lei francesa, ele recebeu uma pequena quantia em dinheiro, apenas uma parte do valor da estátua, que pode chegar a milhões de euros, para sua 'custódia'", explica Brand.

"Depois de 50 anos, é muito raro que um objeto roubado reapareça. Principalmente por ser tão importante", diz Brand.

"É uma estátua muito, muito importante da mais alta qualidade", afirma Monnet. A escultura havia sido descoberta por arqueólogos em 1894 no sítio de Vertillum, declarado monumento histórico vinte anos antes. Quanto a Brand, o museu dá-lhe entrada gratuita vitalícia, acrescenta com um sorriso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.