Espírito neo renascentista na passarela

Oskar Metsavaht fala da nova coleção da Osklen, que será apresentada amanhã, com emoção - por mais antifashion que isso possa parecer. Com a ansiedade de uma criança antes de mostrar seu desenho mais caprichado, ele conta que seu inverno 2009 tem "muita surpresa e foi desenvolvido com experimentações".Oskar fala de um novo renascentismo nesta coleção batizada de Rising (do inglês, crescente, ascendente e serve também para falar do nascer do sol): "Foi quando se descobriu que o centro do mundo não era a Terra e sim o Sol", conta, frisando que o neorrenascentismo faz todo sentido nesta época multidisciplinar. "Hoje o cara é skatista e guitarrista ao mesmo tempo. As pessoas filosofam sobre as mudanças rápidas pelas quais estamos passando e os geeks (novos nerds ligados em tecnologia e informação) representam isso, são meus Leonardos da Vinci contemporâneos", diz citando o multitalentoso italiano que inspira também suas estampas.Dentro desse conceito múlti, o moletom ganha destaque. Oskar pretende passar essa sensação de conforto usando o shape do moletom em materiais como seda, couro e jeans. Ou mesmo resinando o moletom e criando um efeito de couro, mais armado. Tudo em tons de mescla, preto, marinho e castanho. "Uma coisa básica, até porque o luxo ostensivo é démodé", diz.Gaúcho, o doutor Oskar (sim, ele é formado em Medicina) teve sua primeira incursão na moda quando criou um casaco de neve pa ra uma expedição no Aconcágua. Três anos depois, em 89, já morando no Rio, abriu sua primeira Osklen em Búzios e apostou no surfwear, aplicando nas peças seu know-how de surfista. Para comemorar seus 20 anos no mercado, ele lança no fim do ano um livro mostrando a evolução de sua marca em imagens - a maioria feita por ele, claro, já que hoje Oskar também é cineasta. Ou seja, ao falar de multidisciplina neorrenascentista, Oskar fala é dele mesmo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.