Bienal de São Paulo/Divulgação
Bienal de São Paulo/Divulgação

Espanhol Pérez-Barreiro é o novo curador da Bienal de São Paulo

Ele foi escolhido por sua vasta experiência em organizar mostras de artistas latino-americanos, entre eles Geraldo de Barros, Lygia Pape e Willys de Castro

Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S. Paulo

26 Janeiro 2017 | 18h46

Com experiência em outras mostras internacionais, como a sexta edição da Bienal do Mercosul, o espanhol Gabriel Pérez-Barreiro foi escolhido hoje como curador da 33ª. Bienal de São Paulo, marcada para setembro de 2018. Nascido em La Coruña, Pérez-Barreiro foi colega do editor Charles Cosac, atual diretor da Biblioteca Mário de Andrade, na Universidade de Essex, onde assumiu o cargo de curador da coleção de arte latino-americana da instituição. Sua atuação profissional como curador é extensa, tendo organizado exposições, no Brasil e lá fora, de artistas como Geraldo de Barros, Lygia Pape, Waltercio Caldas e Willys de Castro.

Nascido em La Coruña, o curador formou-se em História da Arte na Universidade de de Essex e publicou diversos ensaios sobre arte latino-americana, especialmente a brasileira. Em abril, por exemplo, ele responde pela curadoria de uma mostra dedicada ao crítico Mário Pedrosa no museu Reina Sofia, em Madri, al lado da curadora Michelle Sommer.

Também curador, desde 2002, do Blanton Museumda Universidade do Texas, em Austin, Pérez-Barreiro ainda é diretor e curador-chefe da coleção Patricia Phelps de Cisneros, com sedes em Caracs e Nova York.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.