Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Michal Cizek / AFP
Michal Cizek / AFP

Escultor checo Michal Trpak projeta casa flutuante impressa em 3D

O projeto da casa, que pode ser impressa em 48 horas, se inspira na morfologia dos protozoários e inclui sala com cozinha, um quarto e um banheiro

Redação, AFP

17 de junho de 2020 | 10h00

Um escultor checo se associou a um grupo de arquitetos para criar um protótipo de casa-jardim flutuante, impressa em três dimensões, que poderia se tornar no futuro uma casa de veraneio.

Fabricada com cimento especial em Ceske Budejovice (sul), a casa deve ser transportada a Praga em agosto, segundo previsões.

"Atrevo-me a dizer que é a primeira construção flutuante impressa em 3D no mundo", disse à AFP Michal Trpak, que concebeu o projeto.

O projeto da casa, que pode ser impressa em 48 horas, se inspira na morfologia dos protozoários e inclui sala com cozinha, um quarto e um banheiro, em uma superfície de 43 m2.

"As casas em 3D se adaptarão às pessoas ou à paisagem. Para o robô, o desenho não é um problema", disse Trpak, enquanto um braço mecânico dispunha, pacientemente, as faixas sucessivas de cimento.

"Esta casa é projetada como uma [residência] para o lazer no campo, ideal para um casal ou uma família pequena", acrescentou Trpak, que se inspirou em projetos de casas impressas em 3D na Holanda.

Embora seu criador tenha admitido que a construção do protótipo é cara, "uma segunda geração deveria custar três milhões de coroas (112.600 euros, 127.000 dólares) e a terceira, em torno da metade desse preço", destacou.

Uma vez impressos, os módulos do quarto e do banheiro serão fixados a um núcleo de madeira com janelas amplas e a estrutura será coberta com o teto.

Em seguida, a casa será transportada a Praga, instalada em uma balsa e rebocada até um cais às margens do rio Moldava, onde permanecerá por dois meses.

"Não tínhamos nenhum terreno para instalá-la e de qualquer forma, para fazê-lo, precisa-se de uma permissão de construção, o que pode levar até dois anos", explicou Trpak.

Mas em um rio, "precisa-se apenas da permissão do organismo responsável pela navegação, o que é muito mais rápido", acrescentou.

Segundo ele, o telhado e as paredes da casa, inspirada na natureza, podem ser cobertas com plantas.

A construção, no entanto, se deparou com vários problemas, pois o cimento utilizado é sensível a mudanças de temperatura quando endurece.

"Continuamos pesquisando e desenvolvendo [o projeto]. É um processo de erro e acerto", afirmou Trpak.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.