Escritor é homenageado com exposição da obra no Memorial

Na mostra, que será aberta segunda e vai até 17 de junho, estão todos os livros de poesia, romances e contos do autor

Antonio Gonçalves Filho, O Estadao de S.Paulo

23 de maio de 2009 | 00h00

A Biblioteca do Memorial da América Latina (Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664, Barra Funda) abre, na segunda-feira, uma exposição com obras de Mario Benedetti em homenagem ao autor, colaborador em vários números da revista Nossa América desde sua criação, em 1989. Na ocasião, Benedetti publicou três contos inéditos, entre eles A Sereia Viúva, em que descreve o amor que os exilados latinos, em trânsito pela Dinamarca, tinham pela sereia de Edvard Eriksen, desconfortavelmente instalada numa pedra em Copenhague e sonhando com seu retorno ao mar.Na Nossa América, Benedetti também publicou poemas como Triste Número 1, ode aos corpos "cuja beleza triste é um milagre" e que "amamos" no intervalo entre a vida e a morte, essa companheira inseparável que marca presença no maravilhoso conto Lázaro, igualmente publicado pela revista. Nele, um tal de Lázaro Vélez ressuscita, sai do túmulo e começa a caminhar em direção à casa, sendo recebido com hostilidade por vizinhos e pela mulher - a essa altura enroscada com seu substituto. Só um velho amigo se revela amistoso e não o acusa de nada. Aproxima-se de Lázaro e pergunta: "E agora, para onde vais?", recebendo como resposta: "Recuperar meu sudário."No ano passado, a revista publicou uma entrevista com Benedetti realizada em outubro de 2005 pelo poeta e crítico espanhol Adolfo Montejo Navas, concluída com uma crítica ao ex-presidente Bush e com uma lista das afinidades eletivas do escritor uruguaio - Horacio Quiroga, Felisberto Hernández e Juan Carlos Onetti, aos quais agora faz companhia. Quem ainda não o leu, tem à disposição títulos lançados no Brasil pela Alfaguara, dos quais os mais recentes são Correio Do Tempo e Primavera Num Espelho Partido. ServiçoMario Benedetti. Memorial da América Latina. Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664, Barra Funda, telefone 3823-4600. 9 h/18 h (sáb. até 15 h; fecha dom.). Grátis. Até 17/6. Abertura na 2.ª

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.