Encontrados poemas inéditos atribuídos a Pablo Neruda

Uma série de poemas inéditos atribuídos a Pablo Neruda (1904-1973) foi encontrada em Santiago do Chile, 35 anos depois de sua morte. Dedicados a uma mulher, que vários de seus biógrafos identificam como o último amor do poeta, os poemas compõem o Álbum da Ilha Negra, escrito em 1969 no balneário de mesmo nome, onde Neruda tinha uma casa e onde repousam seus restos em frente ao mar. O advogado e colecionador de livros Nurieldin Hermosilla disse ao jornal El Mercurio que o álbum chegou até ele por meio de um livreiro. Este, por sua vez, o comprou de uma pessoa não identificada, ''por uma soma muito alta'', mas não especificada. Hermosilla, que tem uma vasta coleção de objetos que pertenciam ao escritor, disse não ter dúvidas sobre a autenticidade dos poemas, porque estão escritos com tinta verde, como quase toda a obra do poeta. O álbum tem 14 páginas com poemas dedicados a Alicia Urrutia, sobrinha da última esposa de Neruda, Matilde Urrutia, e que, segundo os biógrafos, foi amante dele em seus últimos anos de vida. ''Aquí en Isla Negra está la ola/ Estrellada que trae tu recuerdo/ Compañera del cielo. Aquí está el árbol del olvido,/ de él saqué un trozo de madera para grabar tu nombre'', diz um dos poemas, que Hermosilla revelou ao diário. A Fundação Pablo Neruda, que se dedica à herança do poeta, não se manifestou a respeito da descoberta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.