Divulgação
Divulgação

Emblema do art nouveau, Gustav Klimt tem mostra em Paris

Pinacothèque francesa exibe importantes obras do pintor austríaco

Luiz Carlos Merten / Paris, O Estado de S. Paulo

23 de fevereiro de 2015 | 16h19

Nunca exibida na França, o Friso de Beethoven é a vedete da grande exposição que a Pinacoteca de Paris dedica a Gustav Klimt. Iniciada no dia 12 fevereiro, deve ir até junho com impressionante conjunto de 180 obras garimpadas em museus austríacos e coleções particulares. Nem todo Klimt se faz presente. Trabalhos importantes não cruzaram a fronteira e permanecem na Galeria Belvedere de Viena. Au Temps de Klimt – La Secéssion de Vienne é muito mais sobre a Secessão vienense, mostrando pinturas de contemporâneos do artista que, como ele, fizeram a glória do movimento.



Há dois anos, em 2013, a Pinacothèque já fizera outra exposição evocando o art nouveau, estilo de arte aplicado à indústria e que floresceu entre 1890 e 1910, evoluindo depois para uma forma mais geométrica chamada de art déco. Klimt e a Secessão, no começo do século 20, têm tudo a ver com art nouveau. Pense no pintor e muito provavelmente a primeira imagem em sua cabeça será a de O Beijo. O casal abraçado, o beijo langoroso e o manto que cobre os corpos. Na pintura, resume-se todo Klimt, da precocidade inicial aos excessos decorativos. Mas a obra que estampa o cartaz da exposição é outra – Judite. Nela estão o hábil desenho e o colorido que torna as carnes palpáveis, entretanto, tudo é aureolado nos dourados excessivos que viraram a marca de Klimt. Quer dizer – meia marca. O artista sempre foi associado à modernidade. O que salta aos olhos na mostra é o expressionismo latente – não por acaso, críticos e historiadores de peso garantem que, sem a Secessão, não haveria o movimento expressionista.

A Secessão floresceu no império austro-húngaro, que vivia seu apogeu, precedendo a decadência. Aquele tiro no imperador Francisco Fernando colocou fim a uma época, à Viena da valsa, do fausto. Das ruínas da 1.ª Guerra, a Alemanha emergiu humilhada e derrotada. O expressionismo, com suas distorções visuais (dramáticas?), virou a expressão dessa derrota – e da pintura saltou para o cinema, criando uma escola de claros e escuros violentos que foi incorporada por Hollywood. A arte como ciclo contínuo – art nouveau + Secessão + expressionismo + Hollywood + (ou =) filme noir!

Segundo dos sete filhos de um hábil gravador, Klimt nasceu e se criou numa família de mulheres. Fez delas o centro de sua pintura, pautada pela sensualidade. Assim como o ambiente familiar foi decisivo em sua formação, a exposição não desconhece uma outra contribuição visceral – Viena, na virada do século 19 para o 20, era um centro do pensamento intelectual. De Sigmund Freud a Carl Schuch, Tina Blau, Théodor Hormann, etc., boa parte dessa intelectualidade austríaca, incluindo Klimt, passara por Paris. A exposição refaz esse percurso e propõe um diálogo com as obras e artistas que marcaram o jovem Gustav ou fizeram a Secessão com ele. A vanguarda austríaca está representada por Egon Schiele e Oskar Kokoschka.

Só como contribuição, e agora sem ligação com o evento na França, a série que o inglês Peter Watkins dedicou ao pintor norueguês Edward Munch, autor de O Grito – ícone cultural do expressionismo –, está sendo lançada em DVD pela Versátil. Com quatro horas de duração e bem documentada, é um valioso complemento para quem visita a exposição. Depois de percorrer a evolução de Klimt, um último espaço é dedicado às joias e artesanatos da Secessão. Magnífico. O que fica disso tudo são as obras emblemáticas – a Judite e o Friso. Judite (e a cabeça de Holofernes) é um óleo sobre tela que reproduz o episódio bíblico. Judite, como uma mulher fatal – olhos semicerrados que fitam o espectador, boca sensual –, segura com a mão direita a cabeça decepada. De fundo, montanhas, figueiras e vinhas expressam o gosto do pintor pelo simbolismo e se referem ao palácio de Senaqueribe. A pintura data de 1901.

O Friso é de 1902 e nasceu como homenagem ao compositor. É uma obra extensa – 20 m por 2. É um milagre que tenha sobrevivido a duas guerras no Palácio Secessão, onde está instalada – e de onde saiu para a exibição em Paris. Uma informação no catálogo diz que o Friso volta para o Palácio da Secessão e, para não correr riscos, ficará intocado por pelo menos mais 20 anos. Nascimento, vida e morte, sexo e pecado – o Friso sintetiza os grandes temas da humanidade e da arte. Uma passagem pela Pinacoteca de Paris vale mais que o preço do ingresso. A importância de Gustav Klimt cresce, e muito. Esse homem foi um artista muito maior do que seus dourados nos induzem a crer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.