Em vinil, o 4.º álbum-solo de Maurício Takara

Uma sensação estranha há tempos vem perturbando o músico Maurício Takara. Essa correria paulistana, que pode ser comparada a qualquer outra metrópole do mundo, que leva milhões de pessoas a se deslocarem de um lado para outro não se sabe bem com que finalidade, inspirou (para o bem ou para o mal) o título e o conteúdo do mais novo álbum-solo do multiinstrumentista. Ocupado Como Gado Com Nada Pra Fazer é um EP que, a partir de julho, sairá num formato muito especial, o vinil. E que reúne cinco músicas, divididas nos saudosos lados A e B - Tenta Ver, No Farol, Tanto Faz, É Bom Pisar e Sinos,Cordas e Tambor.''O título vem dessa impressão de que todo mundo está produzindo muita coisa e nada ao mesmo tempo. De que todo mundo só está pastando'', diz Takara. As músicas contidas no novo álbum, por sua vez, têm um astral muito diferente das anteriores já lançadas - são muito mais ''para cima'', como ele próprio define. ''Utilizei mais samples de voz sobre uma base essencialmente eletrônica. As músicas estão bem mais dançantes'', conta o também baterista das bandas Hurtmold, Instituto e São Paulo Underground. O único instrumento de que Takara não abriu mão foi o trompete e ainda chamou Richard Ribeiro para a bateria e Rogério Martins para a percussão e o saxofone, ambos parceiros nas bandas citadas.Graças ao interesse do selo One Cell Records, de Los Angeles, será possível vender cerca de 500 discos em vinil, em parceria com o selo paulistano Desmonta (www.desmonta.com). ''Produzir vinis em vez de CDs é um pouco mais pesado, tanto no sentido físico como no ideológico. E justamente por isso é muito mais marcante'', afirma Takara.Serviço Projeto Plataforma. Sesc Pompéia (800 lug.). Rua Clélia, 93, 3871-7700. Hoje, 21 h. R$ 4/ R$ 16

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.