Em cena

TelaEste é um quadro de Lutas, a superprodução que Luiz Bolognesi, autor de Bicho de Sete Cabeças, está fazendo. Inspirado na linguagem de HQs, contará a história do Brasil - das batalhas entre tupinambás e tupiniquins até a guerra pela água nos 60''''s. Camila Pitanga e Selton Mello narram. Ele é um highlander de 600 anos. Ela, Janaína, personagem que morre e renasce em todas as histórias. A produção é da Buriti Filmes e da Lightstar Studios, fundada na Califórnia por artistas que trabalharam na Disney e WarnerBros.PacoteCarlos Jereissatti conseguiu, depois de muitos anos, comprar de um sócio minoritário as últimas cotas de ações do Shopping Iguatemi. Custaram-lhe aproximadamente R$ 110 milhões líquidos.Lado BSobre a suposta compra da Natura pela Avon, o presidente da primeira, Alessandro Carlucci, afirma '''' a empresa desconhece qualquer tipo de negociação e nega que esteja à venda''''.Bem-casadoOs Titãs e os Paralamas estão fazendo ensaios juntos. É que em outubro subirão aos palcos lado a lado nas principais capitais. ''''A parceria deve virar programa de TV'''', conta Tony Bellotto.MutirãoO prefeito de Taboão da Serra Evilásio Farias deu sinal verde para a arquiteta Kitty Carvalho e Vera Marsagão, presidente da ONG Arrastão, revitalizarem 700 casas do Parque Pinheiros. Cerca de 20 agentes fizeram um mapeamento das famílias e em outubro voluntários colocam a mão na massa. As casas receberão pintura nova e algumas delas virarão espaços de lazer e cultura. Para tanto, moradores serão alojados em espaços concedidos pela prefeitura. A designer Cris Moura ministrará workshops na comunidade.Rap rastapé O novo disco de Gabriel o Pensador sai em só 2008, mas já tem música pronta: Palma da Mão, composta em andanças nos forrós de Campina Grande e Caruaru, ''''mecas'''' do estilo. É um forró- baião-repente que faz menção à Brasília, onde o rapper esteve para ver ensaios de quadrilha . E quadrilha, para o crítico Pensador, lembra mesmo o DF. Os versos ficaram assim: ''''Esse país tá cheio de armadilha/ mas na cultura a gente não descansa/ pois no Brasil quadrilha que não dança é quadrilha de outro tipo, tipo as de Brasília.'''' A música foi feita com o gringo Itaal Shur - que produziu Smooth para Santana e gravou as sanfonas com Marquinhos Farias, filho da lendária Marinês, a Rainha do Xaxado.Não dá cáMario B. Garnero anda bem chateado com a turma da Lótus - e manda sua assessoria ''''esclarecer que nunca foi sócio da boate Lotus São Paulo e que seu nome foi usado irregularmente para promover a casa durante 5 anos.'''' O motivo: o irmão Alvaro e Edsá Sampaio nunca lhe pagaram os dividendos por emprestar seu nome à boate.Lulu no BolinhaUm é da família Forum, da moda. Outro da Benedixt, de design. Samuel Duek e Marcos Sankovsky abrem na Benedito Calixto a Babel, uma loja de coisas só para meninos - bilhar, engraxate, barbearia, clube do whisky - com décor inspirado em desenhos de René Gruau. A estréia foi cheia de meninas.Prada 09Prada desfilou dia 24 em Milão. A coleção segue as curvas da art nouveau e tem nos lotes de organza uma leveza inspirada em pétalas de flores. Não é uma coleção sexy, mas para ninfas urbanas. No backstage do desfile, Miuccia Prada explicava: "Para reafirmar seu método criativo fiz uma coleção com roqueiras hippie-românticas." As saias hype são em forma de tulipa; os sapatos têm mistura vibrante de cores e são compostos com meias-calças de tecidos em micro-chess - a padronagem-ícone da coleção primavera 2009.5minutos com José Magalhães JrO curador da Bienal Internacional de Arquitetura prepara terreno para colocar (ainda mais) em pauta "o público e o privado", tema da 7.ª edição, que vai de 10 de novembro a 16 de dezembro . 1. Como a BIA vai refletir a relação público e privado?Começa pelo prédio, que é público, mas foi concedido a uma Fundação. Além disso, será dividida em segmentos: um para projetos do concurso com o tema, outro para mostras institucionais, terá um espaço destinado às publicações, uma arena com manifestações ligadas à arte pública como grafite e capoeira, além de um setor para os debates.2. Qual sua visão das políticas de desenvolvimento urbano?Em virtude do desenvolvimento econômico, as nossas grandes cidades se tornaram ponto de convergência de milhões de pessoas. É preciso que sejam estabelecidas políticas para promover a transformação da intervenção urbana no sentido de melhorar a convivência urbana.3. Considerando a "pauta", será cobrado ingresso?Por volta de R$ 12, para arcar com os custos. Mas a arte pública ficará fora da área paga para ficar coerente...4. Algum destaque da programação?O concurso de escolas de arquitetura, em que os alunos deverão fazer um projeto urbano voltado para o interesse público.

O Estadao de S.Paulo

27 de setembro de 2007 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.