Chris Mello, O Estadao de S.Paulo

03 de setembro de 2009 | 00h00

FROM NY - O publicitário americano Milton Glaser, que nos anos 70 criou o I ª NY, um dos mais famosos do design, entregou ao maestro João Carlos Martins o logo encomendado para fazer pessoas de todo o globo pensarem na Amazônia. "Entre as letras corre o Rio Amazonas", explica o maestro que apresentará o logo em 17 de outubro. Na data, Martins mostrará na Sala São Paulo a introdução da Ópera Amazônia, em processo de criação por Matheus Araújo, também bolada para chamar mundialmente a atenção para a floresta.

Melhor maneira de fazer branding para uma label de luxo é... abrir um hotel. Angela Missoni e o grupo hoteleiro The Rezidor compraram a ilha de Cajaíba, na Bahia, para construir um hotel Missoni. Terá 118 quartos, 21 vilas, o restaurante Missoni Cucina e o Bar Missoni. Projeto para 2012.

Lab

Palavras do infectologista David Up: "A pandemia de gripe suína recua em 50%." Mas como vírus são imprevisíveis é prudente deixar ainda mais claro o caminho do H1N1 à vacina. Á pedido de Edevaldo Alves da Silva, da FMU, Uip fará dias 11 e 12 uma megainstalação na Marquise do Ibirapuera, com porcos, um avião de verdade - com documentário explicando o alastramento do vírus -, e estações com réplicas do Instituto Adolfo Lutz, Hospital Emílio Ribas e Butantã.

*

E Uip unirá situação e oposição no projeto. Serra, Kassab, o ministro Temporão e os secretários Paulo Renato de Souza e Luiz Roberto Barradas farão palestras. No bolo também estão Boris Casoy e Heródoto Barbeiro.

O senador Álvaro Dias, PSDB-PR, autor da CPI da Petrobrás, tem sido procuradíssimo por dois empreiteirospreocupados com os desdobramentos da comissão - um de SP, outro de Minas . O senador mandou dizer que... não atende empreiteiras.

A CPI das Tarifas de Energia Elétrica, que avança rápido em Brasília, descobriu que grandes empresas têm tarifa ?digamos? especial. Pagam menos que os mais pobres consumidores. A Aneel já foi chamada a se explicar, e as distribuidoras estão logo atrás na fila.

E quem é que tira da cabeça de Ana Paula Junqueira a ideia de candidatar-se a vereadora? Ninguém. DEM faz cerco para segurá-la. Ana anda com a ideia de sair pelo PV, onde teria mais chances de conseguir uma cadeira.

O Le Coq Hardy vai mudar de lugar. Vicenzo Ondei recebeu irrecusável proposta dos sócios do turco Kosebai, com restôs em Dubai, EUA e Europa. Vendeu o imóvel do Itaim a portas fechadas - incluindo as panelas de cobre nas quais cozinha há 35 anos. O Le Coq Hardy voltará em 2010 nos... Jardins.

A condessa Georgina Brandolini entra para o staff de Carlinhos Jereissati. E caberá a ela a função de caçar novas marcas para o Iguatemi.

Maria Prata está levando Daniel Daibem, a voz de veludo da Rádio Eldorado, para a Fashion TV. Para falar de moda masculina, música e cerveja no programa Lado H.

No Gardênia, o argentino Alan Faena enche Armandinho Lara e Marcelo Mello de perguntas sobre economia e noite na São Paulo pós-crise. Ele, que remodelou Puerto Madero, quer construir um hotel de 60 lugares como seu hotel boutique Faena, em Buenos Aires. Faena é quem começou o projeto do Fasano com Starck, mas acabou passando o negócio para a frente. Será que agora vai?

Lauretta da Martinica anda por Paraty fazendo negócio. Vai montar uma loja de charmes, com belezas do Brasil e hypes da França, como t-shirts ilustradas pela turma de Alber Elbaz, da Lanvin. O Armazén de Paraty ficará pronto no próximo verão.

O corpo de Antoine de Saint-Exupéry nunca foi encontrado, porém surgiu numa praia do Sul da França a pulseira que levava no pulso quando sofreu o acidente de avião que lhe tirou a vida. Sheila Dryzun e Robson Outeiro resgataram a pulseira e mostrarão, junto desenhos inéditos, na megaexpo sobre O Pequeno Príncipe planejada para em outubro na Oca.,

Jane Birkin está no Brasil para cantar hoje e amanhã no Teatro Paulo Autran, no Sesc Pinheiros, um tributo a Serge Gainsbourg. Jane cantará com Caetano Veloso e Orquestra Imperial, big band carioca formada por 18 componentes que programaram repertório de 20 músicas de Gainsbourg, com arranjos originais preparados por Jean-Claude Vannier. Os show encerra a expo Gainsbourg: Artista, Cantor, Poeta, etc. Na cidade, Jane falou ao Estado:

Qual seu melhor souvenir de Serge?

Não consigo dizer um, na época, ele não parecia tão extraordinário. Baudelaire, à sua época, também não parecia. Mas é assim. Serge fez parte da maior parte da minha vida. Foram 17 anos e mesmo depois de morto, nunca esteve longe. Estou aqui por causa dele. E imagine que ele ficava triste de não ser conhecido fora da França!! Só sei o que me incomoda, que é o fato de pouco a pouco sua voz e timbre irem desaparecendo na minha mente.

Você escolheu repertório do show?

Escolhi quatro músicas por serem hoje muito conhecidas na França: Ballade de Melody Nelson, La Javanaise e Je Suis Venu Te Dire Que Je m?en Vais, que cantarei com Caetano. Como estas são tristes, cantarei também Comic Strip.

Serge criou o french touch; Benjamin Biolay está à frente da nova geração, obviamente influenciada por ele. Acha que têm sido competente em levar à frente a chanson française?

Olho pelas ruas e parece que a maioria dos jovens me lembra Serge. Ele não se barbeava porque sua pele tinha um brilho que não me agradava, então ficava três dias sem fazê-lo. Hoje, a maioria dos franceses tem o o look de beautiful dandy que montei para ele: jeans, uma veste mais justa e até os sapatos brancos, como os que eu comprava na Repetto. Isso me faz rir porque é o mesmo look de 40 anos atrás. Por um lado entendo, Serge era realmente avant-garde. The Man With Cabbage Head, disco que conta uma história e isso era muito moderno. Jovens têm seus ídolos. Serge tinha os dele: Boris Vian, autor de Vou Cuspir no Seu Túmulo, os escritores Céline e Kafka. Deles, Serge tirou sua maneira de fazer rimas. Ele gostava de Cole Porter, Francis Bacon, música clássica e sua cultura era enorme, por isso era tão inteligente, cínico, fantástico. A nova geração tem de achar sua maneira de fazê-lo ou continuará cópia de Serge. O mundo não é fácil de traduzir.

A casa da rue Verneuil, onde ele viveu, seria transformada em museu. Há tempos não se houve falar no assunto. Vai acontecer?

Durante 17 anos ninguém se interessou. Bati à porta de ministros da Cultura, de gente rica. O único que, de fato, se prontificou a ajudar foi (o arquiteto) Jean Nouvel. Diante disso, Charlotte decidiu manter privado o pouco que resta do pai. Agora todos querem e ela diz não.

O que achou de Anticristo?

Acho que ela mereceu a Palma de Ouro. Essa performance era necessária e ninguém poderia fazê-la melhor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.