Em cena

HeyNo MuBE, Ivald Granato comemora amanhã 40 anos de arte com o livro Gesture e Art, produzido por José Zaragoza. E diz: "Eu e Aguilar vamos retomar performances. Tozzi, Gerchman, Arnaldo Antunes e Tomoshigue foram convocados." E, desta vez, a nova geração estará entre eles.HeyDia 28 no Royal e dia 29 na Pacha de Búzios vai dar para ver o efeito de Madonna em Jesus Luz. Ela comprou um sound-system de 30 mil pounds para o brasileiro e contratou Eric Jao, aka DJ Inferno, para ensiná-lo como ser um deles. Jesus toca house.E aí, libera? O relatório enviado à ONU por FHC e outros ex-presidentes da Comissão Latino-Americana sobre Drogas e Democracia levou o movimento Viva Rio a juntar peças desse polêmico quebra-cabeça e montar uma comissão brasileira. A CNDD será instalada amanhã no Rio, com discurso de FHC e de Micke Trace, ex-czar antidrogas do Reino Unido e presidente do International Drug Policy Consortium. FHC defende a descriminalização da maconha como ?arma? para combater o crime organizado - mas deixa claro que o efeito da droga é ?danoso?. Trace? Bem... que pensamento moderno, porém, por enquanto, retórico. Geoffrey Hamilton-Jones, head M&C Saatchi, abre mais uma agência em São Paulo - a M&C Saatchi Interactive. Foco, mercado digital. Kleber Viana foi importado da Nova Zelândia para tocar a agência. É a tendência para design e arquitetura: o impacto da luz no ritmo circadiano. Não exposto à luz natural, o corpo humano atrasa 10 minutos por dia o relógio biológico. E a aplicação de Lux intensos de luzes branca e azul podem melhorar depressão, sono e Alzheimer. Expert em efeitos de luz no corpo, a mineira Mariana Figueiró, professora da Light & Health na Universidade Rensselaer, NY, dá a letra: "Arquitetos e designers de iluminação americanos estão usando a técnica em projetos." Será uma onda, como a eco.O corpo do Balé da Cidade de São Paulo vai ferve dia 30 pelas calçadas da Rua Oscar Freire. Farão ?pílulas de dança?, de 10 minutos, coreografadas por Renata Melo para a Promenade Chandon 2009. Ao fim de cada ato, o público será chamado para... entrar na dança com eles. Para sair de vice de Marina Silva, Gilberto Gil vai ter de rodar a baiana - em casa. Flora Gil é terminantemente contra: "Ela convidou Gil, sim. E ele negou, sim", disse Flora, de cabeça quente ao ser indagada na semana passada se seu marido já tinha sido convidado por Marina. Mas na segunda Gil disse que gostou da ideia. ERA UMA VEZ - Foi difícil ler quando criança, talvez por isso a ideia de montar a maior biblioteca infantil multilíngue do País tenha surgido para Duda Porto de Souza, 24. "Mandei um email para amigos contando e um deles reencaminhou para a Faculdade de Belas Artes. Acharam a ideia coerente", conta. Foi a semente. Duda transformou uma viagem de férias em trabalho e saiu por editoras da França e Inglaterra pedindo doações. Os livros já somam 6 mil - e doações são bem-vindas, sim. ,Chama a atenção no Congresso Nacional a quantidade de seguranças em plenário. Sarney tem uma espécie de ?curralzinho? para que manifestantes não se aproximem muito - e a ordem agora é: algema para os mais exaltados.O presidente da AME Jardins, Marcos Arbaitman, pediu ao IPT estudo para diagnosticar as mais de 2 mil espécies de árvores do bairro. A ideia é incentivar a adoção de praças por cidadãos. Como gesto de zelo, posto que o bairro é tombado.Com o prefeito Kassab agora é assim: pediu benesses para uma região rica, ouvirá que seria justo - e ato comunitário - adotar um bairro de periferia. E o secretário das subprefeituras manda dizer: "É absurdo que em bairros ricos, como os Jardins, haja calçadas com buracos." As pessoas esperam a Prefeitura arrumar, mas... é um dever do cidadão manter a sua. "Ainda mais porque as mais baratas, planas e ásperas, são as melhores", Mara Gabrilli quem ensinou. Faz sentido.Sobrinha de Ali Khan, a princesa iraniana Mariam Qajar chega ao Rio para "ver o sol se pôr"... na mostra O Sol da Maison Chanel, que abre dia 24. Não por nada. A mostra, idealizada e curada por Danniel Rangel, reconta a história de Vera Valdez - aka Vera Barreto Leite -, manequim número 1 de mademoiselle. Valdez e Ali eram melhores amigos - e foi a princesa quem entregou a Rangel as fotos que deram início à pesquisa da exposição. Emanoel Araújo tombou com os traços de grafite feitos por Stephan Doitschnoff em toda a cidade baiana de Lençóis e... saiu ?às compras?. Encomendou uma capela para o Museu Afro-Brasil. Versailles vai bombar à brasileira. O casamento da carioca Ana Monteiro de Carvalho com o broker Nadim Razzouk em 11 de setembro será no pavilhão de música da casa da condessa Du Barry - a amante predileta de Luis XV.Depois de longo período vivendo de Mariah Carey, Brit, Aguilera e Beyonce, a saturada cena das princesas do pop muda. E o que vem por aí não é enlatado americano muito bem produzido e, sim, um lote de garotas com nomes esquisitos, frescor, excentricidade, roupas absurdas, cabelos escalafobéticos - a maioria vinda do Reino Unido. Como não é para confundir Ladyhawke com Lady Gaga, aqui vai um best of1. LADY GAGA - A nova-iorquina Stefani Germanotta, 23, é a rainha. Adaptou para si o título da música que mais ama - Radio Gaga, do Queen. Fazia shows burlescos no Lower East e, de escrever letras para a Interscope Records, deu vontade de fazer mais com poptronic, que em sua versão parece ter sido produzido numa fábrica escandinava: autêntico último, exagerado, como os looks que Gaga costurava no começo de carreira, uma vez que Margiela não emprestava. O produtor Mark Ronson fará o novo disco.Melhor música: Poker Face2. LADYHAWKE - A multiinstrumentista Pip Brown, 29, chegou da Nova Zelândia tocando rock grunge - seu estilo - acabou como parceira de Peaches. O som? Rocker com grandes synths. No palco tem banda. Em estúdio, toca todos seus instrumentos.Melhor música: Paris Is Burning3. PIXIE LOTT - Victoria Lott, 18, soa como um R&B com soulful pop. Até lembra meio a sumida Joss Stone. Seu estilo é boneca de luxo - a mais girlie de todas, porém com uma pegada safada à la Britney. É coisa tão fresca que não teve tempo de mostrar muito a que veio. Mas que causa... causa. Melhor música: Mama Do4. BAT FOR LASHES - Natasha Khan, 29, é uma Pocahontas mergulhada no glitter. O nome que assina aparentemente vem de quaisquer palavras que juntou para evocar uma imagem folk. O som é folktronic com letras doidivanas, com um quê de Kate Bush e de Björk. Ultracool, uma coisa meio Steve Nicks no começo dos anos 80. A voz é de veludo.Melhor música: What?s a Girl To Do5. FLORENCE AND THE MACHINE - É o nome usado pela londrina Florence Welch, 22, em gravações com backing vocals colaborativos. Está ganhando fama por mostrar o underwear quando se joga em performances. Faz pop rock e, além de agradar aos críticos, é querida de Kate Moss. Melhor música: Raise It Up6. PALOMA FAITH - Antes de chegar à música, essa english gal foi assistente de mágico e dançarina burlesca, talvez por isso seja superteatral. Édgy, jazzística e cheia de soul, já foi comparada a Amy e cotada para cantar o tema do último 007. Preferiu não fazer. Modesta. A crítica gosta dela.Melhor música: Stone Cold Sober7. LITTLE BOOTS - Enturmada entre povo da Central Saint Martins de Londres, Victoria Hest, 25, veste Mary Katrantzou, mais novo hype da escola de moda. Canta, toca piano e o instrumento japonês Tenori-on em músicas eletropo. Teve a sorte de ser eliminada de um Pop Idol da vida. Montou a banda Dead Disco, que durou com ela dois singles.Melhor música: Stuck on Repeat8. LA ROUX - Elly Jackson, 21, vem de Brixton, sul de Londres. La Roux em frances significa ?a ruiva?. Tudo a ver com seu cabelon superbem pensado e bem? vermelho. Seu som é falsetto-laden com synth pop oitentista. Pense Erasure. O estilo? Retrofuturista colorido, saído muitas vezes dos croquis da estilista Louisi Goldin e de outros novos ingleses. Melhor música: Bulletproof

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.