Em cena

HeyHoje, Mario Queiroz lança na Cultura o livro O Herói Desmascarado - A Imagem do Homem na Mídia. Ale Youssef comemora mil shows do Studio SP com 3 na massa. E Rodrigo Penna manda avisar: sábado tem Bailinho na Casa das Caldeiras. No som, Ritchie, da vintage Menina Veneno. Amanhã abre a 944 Oscar Freire Schutz Temporary Store. "Vamos trabalhar em cocriação com clientes; quero sentir opiniões para construir juntos o conceito definitivo da loja", diz o designer de sapatos Alexandre Birman. A loja definitiva sai em 2010.Nóis com Nóis Unir forças é questão-chave para desenvolvimento de uma comunidade - coisa que judeus aprenderam a fazer bem. A colônia uniu os colégios Renascença e Bialik para formar a Nova Escola Judaica, com padrões internacionais, cujo discurso é "judaísmo tolerante e inclusivo". Leia-se por inclusivo: ortodoxos e liberais, não outras religiões. A fusão dos colégios redesenhará o tráfego de SP e o buzinaço já começou na orelha de Kassab. O plano é transformar A Hebraica num campus, turbinado com dinheiro da venda dos imóveis onde ficam hoje os colégios. O plano é para daqui 2 anos. Com a mudança, 2 mil alunos se movimentariam entre Higienópolis e Marginal Pinheiros. Fom! Fom!O secretário das Subprefeituras Andrea Matarazzo parece ter se empolgado. Postou no Twitter "com este friozinho, um copo de vinho e muitos beijos gostosos pelo seu corpo, deslizando minhas mãos". Ui!! Durou 3 minutos no ar. Nos 140 caracteres havia o nome Camila Moraes. Andrea afirma ter sido hackeado "e o acesso ilegal será averiguado". Para reverter estragos dos pseudoincríveis produtos de ?relax progressivo? para cabelos, Cris Dios do Laces & Hair tem a receita: um mix de mel, queratina e colágeno, que reencapam as escamas dos fios. O escritor José Eduardo Agualusa fez o meio de campo para Graça Machel, mulher de Nelson Mandela, dizer sim. Virá ao Brasil em 15 dias para discutir valores com o músico senegalês Youssou N?Dour e o pintor sul-africano Breyten Breytenbach - um dos nomes mais fortes de resistência ao apartheid nos anos 1960. Estarão no Black2Black, festival organizado por Connie Lopes e Júlia Otero no Rio. Vem também Bob Geldof, do Live Aid, debater com a economista zambiana Dambisa Moyo, autora do recém-lançado Dead Aid, no qual defende a polêmica tese de que a ajuda internacional piora a vida dos africanos. Sindicato dos Trabalhadores de Bares e Restaurantes andou investigando 7 mil restôs que não repassam gorjetas à garçons de forma correta: 70%, tirando 30 para inpostos. A deputada Maria Lúcia Amary entrou com pedido de CPI das Gorjetas na Assembléia de SP - e está marcada para 24 de setembro a primeira audiência aberta. Se o dinheiro fosse repassado, estima-se que, só no Estado, 400 mil famílias poderiam subir da classe D para C. Ou da C para a B.O bar DRY sem mesas, com Jeff Ares, Rosana Rodini e Ale Farah tocando soundtracks de filmes. Os nomes da música e da faixa vão para uma lousinha trash, iluminada com lanterna. Isso é a noite mensal Super 8BALMANIA - Fumando em frente do restô Anita, ela veste Balmain. E tudo nela é bom. O jeans negro, as botas peep toe e a jaqueta com? ombreiras, que o estilista francês Christophe Decarnin tirou do baú oitentista, acrescentando dez centímetros na altura dos enchimentos: enormes, incopiáveis. São também da coleção de outono 09 da Balmain que saiu o hype dos jeans delavés, ultrarrasgados, neste momento já familiares. Balmain virou marca hypésima das trendsetters festeiras. Com Decarnin pilotando as agulhas e Emanuelle Alt, da Vogue francesa, no estilo da marca, Alain Hivelin dobrou vendas neste ano de crise - e prevê faturamento de 28 milhões. Mas... essa Balmania não vem só de puro fashionisto. Christophe é bom, sim. Mas o verdadeiro Ás na manga de Hivelin é Alexandre Allard, seu novo sócio, que saiu cheio de dinheiro da bolha da internet - e faz o marketing e o mis-en-scène para a marca. No Brasil, quem vende e a NKStore, de Natalie KleinLuigi Cardoso chegou à conclusão de que melhor que o argentino Casa Cruz seria trazer para o Brasil o restô francês L?Atelier. Assinou semana passada contrato com Joel Robuchon e ficou decidido que o L?Atelier São Paulo - 7º do chef - terá na cozinha Axel Manet. A obra do que seria o Cruz foi parada - e, sorte, ambos restôs têm ambientes escuros. Ficou para o arquiteto Thiago Guiness adaptar o lugar ao conceito do francês - caracterizado por um balcão do gênero de lojas de fast-food, onde é servido Haute Cuisine. Abrirá em setembro.Fim do casamento de Luciana Tranchesi, da Daslu, com Guilherme Mussi. As despesas médicas de senadores serão o próximo ponto de discussão. De Jesus Luz para o DJ Zé Pedro na festa de Preta Gil: "Não vai tocar a minha loirinha?" !!!! Não dá para ser mais cafona. O comentário rolou. E Zé tocou Madonna.Isabela Capeto abre hoje a frente de sua loja, com o projeto Casa Aberta. Convidará estilistas para criar coleções, terá peças numeradas, vintage, livros e obras de arte. Erika Verzutti, que acaba de expor na Galeria Misako and Rosen, em Tóquio, apresentará sua nova obra Pintura no Espelho.Convidado pelos deputados de Brasília para explicar sobre H1N1 no plenário, o infectologista David Uip levou anteontem um dossiê de 50 páginas, organizado pelas equipes do Emílio Ribas e HC, com orientações para tratar grávidas, pacientes com doenças respiratórias crônicas e em UTI - os supersuscetíveis ao vírus. Agora é questão de rapidez da equipe do ministro da Saúde, José Gomes Temporão, para ler o dossiê - e repassá-lo a instituições do País para padronizar o tratamento da suína.Tutinha Carvalho tirou Felipe Xavier do ar há algum tempo. Para provocar, Xavier criou o personagem Doutor Pimpolho, que tirava sarro de Tuta na concorrência. Mas... ?debochado-lhes...? como é, Tuta resolveu colocar Xavier na grade da Jovem Pan - até mesmo para fazer o personagem. Carole Crema pesquisou em NY receitas dos melhores cupcakes - os bolinhos para um só, cozinhos em formas, também chamados de bolo 1234 por levarem poções iguais de ovos, açúcar, manteiga e farinha. A delícia é a cobertura - sempre colorida. Carola tira fornadas diárias na La vie en Douce A Message for You estreia amanha no MuBE. A mostra do francês Guy Bourdin, considerado um dos mais importantes fotógrafos de moda da segunda metade do século 20, bem ilustra a intenção do presidente do museu, Jorge Landmann, de fazer do MuBE "um polo de arte avant-garde, contemporâneo, para todas as mídias". Pelo fato de não comungar das novas diretrizes do museu, o curador Jacob Klintowitz foi há uma semana dispensado do cargo. "Queremos trazer curadores de outros países, trabalhar com curadores jovens e fazer com que esses jovens usem, habitem o prédio", diz Landmann. A expo de Bourdin tem curadoria da inglesa Shelly Verthime que, desde 2001, organiza com Samuel Bourdin, o patrimônio cultural deixado por seu pai. À época em que se conheceram, Shelly - que há 12 anos é mentora do gênio da Maison Lanvin, Alber Elbaz - procurava tema para escrever um livro. Folheando com Elbaz antigas Vogue França teve a certeza de que o trabalho de Bourdin seria o foco. "Alber organizou um jantar para me apresentar a Samuel, que naqueles dias estava começando a imprimir a primeira monografia sobre seu pai", conta Shelly. Samuel praticamente entregou a ela todos os negativos - com exceção dos que estão em poder da Condé Nast, com quem Samuel trava uma disputa judicial pelos direitos dos negativos. "Começamos um trabalho de pesquisa e propusemos ao Museu Victoria & Albert, de Londres uma exposição", conta Samuel. Inicialmente com 34 fotos, a mostra, que amanhã ferve no MuBE, viajou para Austrália, Paris, Alemanha, Ásia, antes de chegar ao Brasil, com 36 fotos a mais. "Fizemos uma seleção de imagens icônicas de Bourdin", diz Samuel sobre a obra do pai, cuja marca é uma narrativa surreal, moderna e atemporal. "Considero esses trabalhos mais pop art do que somente moda." Faz sentido. "Na verdade meu pai era pintor." Um pintor que, só para contextualizar, virou pupilo de Man Ray e era brother dos surrealistas Magritte e Balthus. "Guy Bourdin se preocupava com detalhes, cores, a história", diz o filho. De fato, a roupa é o menos marcante das imagens. Bourdin é sensual, provocativo, chocante, violento, erótico, exótico, sinistro - um show. Depois da temporada brasileira, Shelly e Samuel se debruçam sobre novo projeto, o do livro Guy Bourdin, in Between, que terá 200 imagens inéditas publicadas entre os anos 50 e 80.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.