Em cena

HeyEm 08, Rodrigo Penna ferveu domingueiras cariocas com o Bailinho. A festa de música eclética está sendo ?importada? para S.P. por Bruno Dias. Simoninha começa como convidados DJs Markos Meskita e Penna, que traz na bagagem o cenário de Sergio Marimba. Sextas, no Club Hotel. Raro um bom Picci em São Paulo. Discípulo de Daniel Bouloud e Paul Bocuse, o chef Arthur Sauer cozinha a massa rústica - e bem - no Roux, bistrô que estreia dia 14 na Ministro Rocha Azevedo e leva o nome pelo chefe, que é .. ruivo. Jacques Wagner deu sinal verde - e começa a corrida dos publicitários para ganhar a licitação da conta do governo baiano. A verba prevista, de R$ 129 milhões, divide as Secretarias Estaduais em lotes para 5 agências. Fala-se nos corredores do Palácio dos Bandeirantes que, apesar das especulações em torno da possibilidade da indicação da senadora Kátia Abreu, do DEM, de Tocantins, para vice de José Serra na campanha presidencial, PSDB e o governador não pensam nem de longe em ter uma mulher para fechar a chapa. Trauma do fiasco da dobradinha com Rita Camata e 2002. Fontes da comunidade judaica americana comentam que os U$ 50 bi de prejuízos causados por Madoff são só a ponta do iceberg. Os bostonianos são os mais prejudicados. Só um empresário perdeu U$ 7 bi. Entre mortos e feridos, afetados pela avalanche de demissões pré-pagamento de bônus por parte de bancos grandes e pequenos, ecoa a frase: "a questão nem é mais ganhar bônus, mas manter a cadeira."O índice de violência em Salvador é alarmante, mesmo tendo caído em 2008, segundo a Secretaria de Segurança Municipal. Mas... para preservar turistas no carnaval, estão sendo colocados nas ruas policiais à paisana.A Pro Matre não avisa quem se interna que está em... reforma. Devido às marteladas, pais e bebês não dormem.Uma nova onda: pó de pérolas para o cabelo brilhar. O tratamento, batizado Escova de Luz, sela fios e tem assinatura do Cleber Lopes Institute.On the rocksOs números indicam uma trégua na crise de consumo no mercado de uísques, que nos anos 80 e 90 fez 12 destilarias escocesas encerrarem produção. Scotch, especialmente single malt, entra num novo hype. Em 08, vendas de uísque cresceram 75% na China, 36% na Índia, 27% na Europa, 6% nos EUA e 11% na América do Sul, apesar da desaceleração da economia. Pernot Ricard está dobrando a produção de Glenvilet. A Möet Henessy aumenta em 50% a produção de Glenmmorangie. E a Diageo está investindo US$ 200 milhões na construção da maior destilaria da Escócia, em Roseisle. A questão é que uísque tem que envelhecer - e a falta de tempo versus demanda cria uma nova moda, a dos uísques superjovens. A Möet Hennessy sai na frente. Para gerar cash, marqueteia a Ardberg como uísque supercool produzido desde 97. O 6 anos é vendido como "very young", o 8 como "still young" e o 11 anos como "almost there!" Para arrebanhar novos bebedores, o slogan é: "Idade pode indicar status, mas nem sempre o gosto é o melhor." Para gerar desejo, o preço das garrafas surfa entre US$ 350 e US$ 400. Louboutin: sinal verde para flerteJá que em março, Carlinhos Jereissati abre no Shopping Iguatemi a primeira loja de Christian Louboutin na América Latina, oficializo aqui o fim da minha carreira de... traficante. Traficante de Louboutins. Para uso próprio. Viciadas nesses sapatos são assim: insatisfeitas crônicas. Sempre há um novo Picador, Decolette ou Hyper Privé - alguns dos clássicos modelos do sapateiro francês. Até então, meu superego descontrol vinha sendo abafado por meu amigo Danniel, que eu fazia ir à rue de Grenelle, em Paris, onde fica uma das lojas desse designer, para buscar sapatos e despachá-los por correio. Quando a caixa chegava, me sentia como a mais trash viciada: surda, muda, fixada na caixa, rasgando o papel, ansiosa para vestir o que estava dentro. E daí que são só sapatos? Ponha um no pé e... você verá o bom! Essa loucura, para quem ama - e, hello!, em tempos de crise o statement está em... acessórios - tem uma razão: Louboutins são ubbersexy, especiais, têm linhas clean, acabamento que perpetua um luxo raro no prêt-à-porter, além das indefectíveis solas vermelhas que Christian diz serem "sinal verde para flerte". Não à toa. Christian tem uma relação intrínsica com fetiche. Entrou para a moda pelo submundo, fazendo sapatos para as dançarinas do The Palace e Les Folies Bergère, até ser resgatado por seu mentor técnico, Charles Jourdan, para assessorá-lo na Dior. Desenhou para Chanel, Saint Laurent e tentou fugir do ramo trabalhando por uns tempos para a Vogue. Sentiu saudades e foi para o ateliê Roger Vivier. Em 92, abriu sua primeira loja na Galeria Vero-Dodat, perto do Louvre. Caroline de Monaco era cliente e uma jornalista americana que buscava endereços hype na cidade, ouviu-a contar sobre o designer e colocou na press. Dezesseis anos depois... Louboutin desenha os sapatos de Azzedine Alaia, Diane von Furstenberg, Rodarte e Roland Mouret, vende sua label em 46 países e terá em São Paulo a 17ª loja própria. Em SP para supervisionar a obra, Louboutin, que mantém o negócio sob lupa para evitar consumo de massa e a vulgarização de sua arte, falou ao Estado:Moscou e L.A. são as cidades em que você mais vende sapatos. Dizem que o Brasil será igual. Pode explicar?Em Moscou, as mulheres não caminham nas ruas de saltos altos. As distâncias são longas e o transporte público nada generoso. Em L.A. também. Aqui, usar saltos altos é uma questão de atitude. Aqui, ou usam saltos altos ou Havaianas. Acho que será um mercado muito bom.O que a brasileira terá que as outras lojas não têm?Quando abro uma loja, gosto de fazer seleções especiais para cada endereço. Nem sempre crio pensando no lado industrial, na venda em massa, apesar de ter de focar nas margens dos compradores das grandes lojas. Mas meu lado artesanal é muito forte. Tenho o prazer da liberdade de comprar 3 metros de tecido e fazer poucos pares para distribuir em lojas específicas. Foi então esse o motivo que o fez lançar recentemente uma coleção limitada de sapatos bordados por Lesage, inspirados em Maria Antonieta, que custarão US$ 6 mil?Jean François Lesage é um grande amigo. Nós nos conhecemos desde os 18 anos. Ele é um cara muito tímido e mudou-se para a Índia para se encontrar. Agora, está mais aberto à vida. Nunca tínhamos trabalhado juntos e um dia, almoçando na casa dele, em meio a taças de vinho, começamos a conversar e veio a ideia de fazer uma coleção inspirada em rainhas. Pensamos em várias, mas como somos franceses e Maria Antonieta foi uma rainha da França, nos pareceu ideal. São só 36 pares, que estarão em Londres e Paris.Louboutins têm a fama que têm, de superssexy e superconfortáveis, por que razão? Trabalhei com Roger Vivier, que era um grande gentleman e me ensinou que a forma... Ao olhar para uma mulher impecável com sapatos deslumbrantes, este tem de aparecer e desaparecer na silhueta. Roger fez a mais bela pump.É esse o fundamento de Fetish, a série de fotos feitas com David Lynch?Sim. Quando fiz as fotos com Lynch, ele queria mulheres magras em saltos muito altos. Essa imagem me remete à tortura, à imagem de moda. Usar nesse trabalho mulheres com mais curvas pareceu definitivamente mais sensual.A coisa divertida de fazer sapatos é...Por meio da forma, independentemente de qual seja, você saca a personalidade de quem usa. Acho que nesses tempos de crise, um bom sapato tem status de jóia, faz um look?A crise deixou claro algo que já existia, vinha crescendo. Acessórios são as peças hoje mais importantes. Nem toda mulher pode pagar por um vestido de US$6 mil, mas com o sapato certo, consegue uma imagem.Por que as solas vermelhas?São um sinal verde para o flerte. E mesmo que uma mulher não goste de cores, o vermelho dá um tom. Apesar de muito confortáveis, seus sapatos são perigosos. Tenho os joelhos roxos por conta de um tombo. Há uma regra para andar com eles?Segurar no braço de um homem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.