Em cartaz, filmes brasileiros para todos, mesmo

Mostra no CCBB do Rio tem como público-alvo cinéfilos com deficiências

Roberta Pennafort, O Estadao de S.Paulo

15 de julho de 2008 | 00h00

Já imaginou ir ao cinema e não ouvir os diálogos nem a trilha sonora? Ou não enxergar o que se passa na tela? Desde o último dia 5, deficientes auditivos e visuais têm a chance de acompanhar filmes da produção nacional recente graças a um sistema de legendagem e de descrição. Realizada no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio, sempre aos fins de semana, a mostra Cinema Nacional Legendado e Audiodescrito fica em cartaz até dezembro; em agosto, chega também ao CCBB de São Paulo.No dia 5, foi exibido Fica Comigo Esta Noite, de João Falcão. O estudante Nelson Pimenta, surdo desde o nascimento, foi conferir. ''Este projeto é fundamental. A comunidade surda não teve acesso a informação e cultura. Conforme foi recebendo informação, passou a ler as legendas em português, que, para a maioria, é a segunda língua (a primeira é a Língua Brasileira de Sinais Brasileira)'', diz. ''Nós pagamos impostos e temos direito de ter legenda.''O sistema é o closed caption - não só as falas são transcritas, mas também sons como porta batendo, cachorros latindo, gritos ao longe, músicas relevantes para a trama. A descrição (antigamente feita ao vivo, por atores) é transmitida por meio de fones, pelos quais os cegos ouvem explicações sobre o cenário, figurinos, movimentos dos atores, etc.Já descrita por um dos freqüentadores como ''o Oscar do cinema legendado'', a mostra está em cartaz desde 2004, sempre com bastante procura. Inicialmente, tinha apenas a legenda para surdos. A fonoaudióloga Helena Dale, diretora da Associação de Reabilitação e Pesquisa Fonoaudiológica (ARPEF), foi a idealizadora. Em 2005, quando esteve nos Estados Unidos a trabalho e viu a experiência norte-americana (por lá, existem 200 salas dotadas do sistema), ela decidiu estendê-lo também para cegos.''Eu me perguntei: mas será que cego gosta de ir ao cinema? Para mim, não tinha sentido. Até que conheci um cego que disse que adorava ir ao cinema com os amigos e que a descrição resolveu o seu problema, porque antes ele precisava levar alguém para contar tudo o que se passava na tela'', conta Helena.Depois de Fica Comigo Esta Noite, estão programados Benjamim, de Monique Gardenberg, Cinema, Aspirinas e Urubus, de Marcelo Gomes, Depois Daquele Baile, de Roberto Bomtempo, A Máquina, de João Falcão, 2 Filhos de Francisco, de Breno Silveira, e O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias, de Cao Hamburger - todos com closed caption e audiodescrição.O Outro Lado da Rua, de Marcos Bernstein, Garotas do ABC, de Carlos Reichenbach, O Casamento de Louise, de Betse de Paula, As Filhas do Vento, de Joel Zito Viana, Barra 68, de Vladimir Carvalho, O Primeiro Dia, de Walter Salles e Daniela Thomas, e O Xangô de Baker Street, de Miguel Faria Jr, têm apenas closed caption. A produção nacional é privilegiada pelo simples motivo de a estrangeira já vir legendada.Como a sala de cinema do CCBB de São Paulo ainda não está preparada para receber filmes com audiodescrição, serão exibidos somente os com legenda. A mostra começa na cidade na segunda quinzena de agosto (um fim de semana por mês).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.