Em busca da natureza e do homem intocados

O fotógrafo Sebastião Salgado fez ontem, no Rio, uma apresentação de parte de seu novo projeto de trabalho, Gênesis, que o tem levado a regiões remotas do planeta em busca de natureza e povos primitivos. Ele já fotografou de índios zoés, no Pará, com pouco contato com brancos até então, a paisagens impressionantes no Sul do Sudão e Norte da Namíbia.

Roberta Pennafort, RIO, O Estadao de S.Paulo

10 de setembro de 2009 | 00h00

O projeto tem patrocínio da Vale, que organizou a palestra de ontem, para convidados. As viagens de Salgado e de sua mulher, Lélia, que formata seus livros e exposições, começaram em 2004 e vão até 2011. A ideia é chegar "às partes mais puras" do globo. "Quero mostrar um planeta que ainda existe como no dia da concepção", explicou.

Salgado, que tem 65 anos, falou de sua trajetória, de menino em Aimorés (Minas Gerais) a economista formado pela USP, e depois radicado em Paris para viver de fotografia - ofício que já o fez percorrer 120 países. Sempre em preto e branco, suas imagens contundentes de trabalhadores, migrantes e da natureza são conhecidas mundialmente.

Salgado contou que está satisfeito com a recente troca do equipamento analógico pelo digital, que facilitou suas andanças. "Não havia mais condições técnicas de usar filme", justificou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.