Elizete Cardoso fez o registro histórico, um ano depois

Gravação da cantora de Chega de Saudade, em 1959, gera polêmica sobre a data oficial de aniversário

O Estadao de S.Paulo

07 Setembro 2012 | 00h00

Joãozinho de Juazeiro, da Bahia, já circulava pela zona sul do Rio de Janeiro como João Gilberto. Naquele ano, mais precisamente em abril, ele conceberia, em 1 minuto e 59 segundos, o que seria considerado o marco zero da bossa nova, com a batida do seu violão na canção Chega de Saudade, de Tom Jobim e Vinícius de Moraes, presente no álbum Canção do Amor Demais, de Elizete Cardoso.O ''''baiano bossa nova'''', como definiu Tom, inaugurava assim a ''''batida da bossa nova'''', popularizando o violão em um gênero que mescla as linguagens do samba com o jazz. Um ano depois, João Gilberto lançou, pela extinta Odeon, o clássico álbum, intitulado com a canção que o despontou na música, e que é visto por alguns, como Carlos Lyra, o verdadeiro início da bossa nova. ''''Acho um absurdo comemorar em 58'''', ironiza.Discórdias à parte, no ano do lançamento do álbum de Elizete, o músico Menescal tinha 21 anos e não fazia idéia de que começava ali um movimento musical que conquistaria o mundo. ''''As pessoas pensavam: ''''O que é isso, quem é esse cara, essa batida?'''''''', diz o autor da clássica O Barquinho, imortalizada na voz de Nara Leão. Segundo ele, a bossa nova nasceu da meninada que queria uma vida ligada à natureza e sair da fossa do samba-canção. Ele era um dos músicos que, naquela época, se reunia no apartamento da musa do gênero Nara Leão. De frente para o mar de Copacabana, Menescal e Nara se juntavam a Lyra, Ronaldo Bôscoli, Tom Jobim e Sylvinha Telles, entre outros, para dedilhar acordes ao violão.Anos depois, o gênero foi ofuscado, principalmente pela ditadura militar, instaurada em 1964, sendo depois encoberto musicalmente por outros movimentos, como a Tropicália, a MPB, o rock nacional e os populares dos anos 90. No exterior, porém, a bossa foi muito bem recebida e os americanos a batizaram de brazilian jazz. Além do nome, ganhou também novos arranjos e elementos eletrônicos, perdendo a essência banquinho e violão, sacramentada por João Gilberto, no início dos anos 60, no Carnegie Hall.Cinqüenta anos depois, os antigos representantes se misturam aos nomes da nova geração, que inseriram novos elementos na bossa nova, como assim fizeram Bebel Gilberto e Bossacucanova. Menescal aprova; Lyra também. ''''Tem eventos que querem a bossa nova tradicional, tem outros que querem agregar a continuidade dela. Tudo é válido e, na minha opinião, temos de participar de tudo'''', afirma Menescal. ''''Acho interessante, pois eles tentam fazer uma coisa mais moderna, sem deixar a essência bossa-novista'''', avalia Lyra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.