Ecos da Sociedade Alternativa

CAMINHADA: As "viúvas" de Raul Seixas vão tirar as barbas de molho hoje. Esta tarde, em São Paulo, está prevista uma grande concentração de malucos belezas em caminhada que celebra Raulzito, saindo da frente do Teatro Municipal, em São Paulo, até a Praça da Sé.EXPOSIÇÃO: Desde ontem, no Museu Afro Brasil, no Parque do IbirapuEra, está instalada a exposição Raul Seixas, o Prisioneiro do Rock, homenagem fotográfica ao baiano feita pelo cineasta e fotógrafo Ivan Cardoso, o criador do subgênero "terrir". São 30 fotografias em grande formato. A entrada é gratuita. "Quem for ao Museu Afro Brasil vai ver muito mais do que fotografias do Raul. Verá um instante mágico vivido pelos dois personagens: fotógrafo e fotografado, uma interação alcançada aqui por esse bruxo, esse capeta inquieto e destemido, capaz de ler e ver o infinito das coisas", declarou Emanoel Araújo, diretor do museu.LIVRO: Amanhã, às 13 horas, na Galeria do Rock (Rua 24 de Maio, Centro), será lançado o livro Raul Seixas - Metamorfose Ambulante, de Mario Lucena, Laura Hokan e Igor Zinza, com coordenação de Sylvio Passos, presidente do fã-clube de Raul. O livro, segundo os autores, é "resultado de uma ampla pesquisa sobre os conceitos filosóficos que Raul Seixas usava em suas músicas e cultuava como o niilista do século 19, Arthur Schopenhauer; o hermético Crowley, do século 20, já na fase com Paulo Coelho; e Sartre". Os autores analisam diversas canções da obra do baiano, como Trem 103 (1968), Mosca na Sopa (1973) até Nuit (gravada em 1989, ano da sua morte). Mostra sua proposição da instalação de uma "sociedade kavernista (1971)" (nome de disco que Raulzito fez com Edy Star, Miriam Batucada e Sérgio Sampaio) até a sociedade alternativa de 1977, "um lugar mágico como o castelo de Hogwarts de Harry Porter", assinalam os escritores. "Vinte anos depois da sua morte, continuamos descobrindo Raul Seixas - ver, entender e compreender o homem por trás do Maluco Beleza", declarou Lucena.ESPETÁCULO: Raulzito também vai ao teatro. Às 21 h, no Teatro Commune (Rua da Consolação, 1.218, tel. 11 3476 0792 /8669 - www.commune.com.br ), estreia o espetáculo À Espera do Trem das 7, escrito e encenado por Samuel Luna. Segundo o autor, a peça está estruturada em torno de 16 músicas do baiano, e descreve a sua trajetória artística de um ídolo "que se diluiu em seu sucesso e acabou perdendo a briga para o alcoolismo, morrendo com 44 anos, sozinho em seu apartamento". O currículo do ator e encenador Samuel Luna divertiria Raulzito (que produziu diversos discos de artistas chamados "bregas" e não tinha preconceitos): "É um artista que atua em várias áreas: comerciais de TV, produção de programas para televisão, jingles, compositor e cantor. Desde 1998, ao lado de alguns amigos, mantém a Nove Luas, uma banda de pop rock que tem sido destaque no interior pernambucano, já tendo dividido o palco com grandes nomes do rock nacional, como Jota Quest, Kid Abelha e Lulu Santos. Em 2007, esteve ao lado do cantor Markinhos Moura, um dos ícones dos anos 80. Markinhos Moura chegou a gravar uma música do pernambucano, Madrugar dos Sentimentos, e ainda produziu um videoclipe, que está no YouTube."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.